quarta-feira, 29 de abril de 2015

Revisão do Plano Diretor de Viçosa: Reunião no Silvestre


Revisão do Plano Diretor de Viçosa

REUNIÃO NO DISTRITO DE SILVESTRE (31/03)
 
PONTOS NEGATIVOS
  1. Falta de organização do IPLAN
  2. Poucas opções culturais para todas as idades
  3. Poucos horários de ônibus urbano
  4. Algumas ruas apresentam pavimentação, mas sem rede de captação das águas das chuvas, o que acaba estragando a pavimentação
  5. Falta de área de lazer no bairro (todos)
  6. Falta segurança pública de qualidade
  7. O zoneamento da prefeitura não funciona
  8. Ausência de praças para lazer e esportes em Viçosa
  9. Pouca participação da comunidade (conselhos) na definição das políticas públicas
  10. Favorecimento do poder público para empreiteiros e/ou particulares
  11. Falta segurança no bairro Violeira
  12. Festas no Multshow ou Fazendinha
  13. O bairro se tornou um minicentro
  14. Falta calçadas regulares no bairro
  15. Deficiência dos postos de saúde (em número e qualidade)
  16. Ausência de políticas para crianças e jovens
  17. Falta de canteiro central, calcadas e rotatórias na Avenida Castelo Branco e BR 120 até Novo Silvestre
  18. Parque de exposição abandonado
  19. Falta de compromisso dos donos de lotes com a limpeza e falta de calçadas no bairro Inconfidência
  20. Violeira: crescimento desorganizado, com construções de condomínios aterrando e assoreando o rio Turvo Sujo; circulação de carros de som particulares e pequenas empresas perturbando o sossego; desmatamento sem fiscalização de árvores nativas
  21. Falta capina periódica nas estradas da Violeira
  22. Confecção de muros rente às estradas
  23. Falta de ciclovias
  24. Não respeito às leis ambientais
  25. Novos condomínios sem tratamento de esgoto na Violeira
  26. Falta de calcadas para pedestres
  27. Deficiência no escoamento das águas superficiais
  28. Falta infaestrutura nos passeios do bairro Silvestre
  29. Falta de calçamento em todas as ruas de um loteamento próximo a fazenda Lustoza no bairro Silvestre
  30. Escoamento de águas das estradas na Violeira
  31. Aluguel de casas para festas na Violeira
  32. Falta sede própria para o PSF do bairro Silvestre
  33. Rede de esgoto a céu aberto
  34. Surgimento de obras ao longo da Marechal, dificultando o trânsito dos moradores
  35. Desmatamento e impermeabilização do solo na Violeira
  36. Falta trevo de acesso ao bairro (Silvestre, Novo Silvestre e João Reis)
  37. Construções sem nenhum critério (Silvestre, Novo Silvestre e João Reis)
  38. Lotes abandonados (Silvestre, Novo Silvestre e João Reis)
  39. As construções do bairro ocupam as ruas com material, impedindo ou dificultando o trânsito (esse planejamento e fiscalização pode estar previsto no plano diretor?)
  40. Calçamento das ruas muito ruins em geral
  41. Falta de segurança
  42. Muitos adolescentes nas drogas
  43. Lotes sujos
  44. Falta de creches em tempo integral
  45. Uso do solo desordenado na Violeira
  46. falta calçamento nas ruas do bairro residencial Silvestre
  47. Falta de escolas públicas, creches e transporte escolar seguro e decente;
  48. Comprometimento com a educação e saúde
  49. Falta conscientização para o uso e conservação das águas e a revitalização da nossa cachoeira no Silvestre
  50. Novo Silvestre: obras públicas em estradas mal feitas, sem obediência aos critérios técnicos de compactação e com risco hidrológicos
  51. Violeira: falta de calçamento e padronização de larguras; falta de manutenção da infraestrutura nas estradas; presença de vegetação avançando nas estradas; falta de transporte coletivo de boa qualidade, relativo a conforto e periodicidade; controle/fiscalização de poluição sonora e tratamento dos resíduos das festas; avanço urbano com desrespeito a identidade local; muitos resíduos de obras
  52. Falta de limpeza urbana nas ruas do residencial no Silvestre
  53. Falta de sinalização e calçadas na avenida Gumercindo Iglesias (avenida que liga Silvestre a Vau Açu)
  54. Presença de cachorros nas ruas
  55. Falta limpeza periódica nas estradas e capina
  56. Rede de drenagem próxima ao parque de exposições (trecho experimental solo-cimento)
  57. Falta de mais horários de ônibus
  58. Uso desordenado do solo: condomínios novos não atendimento das solicitações da associação dos moradores
  59. Falta de infraestrutura: ruas sem calçamento (Silvestre); transporte público extremamente precário; lotes abandonados sem qualquer fiscalização; falta de estrutura de coleta de água de chuva; falta de ordenamento urbano
  60. João Brás: pouca segurança; crescimento do comércio; rua da igreja em péssimo estado; ruas sem rede pluvial; lotes vagos abandonados; iluminação ruim; lixo jogado na rua
  61. Noites sem sossego na Violeira
  62. Revitalização da ciclovia com novo desenho urbano prevendo crescimento
  63. Anel rodoviário
  64. Acostamento rodovia
  65. Pedra fincada nas ruas
  66. Falta asfalto
  67. Falta de segurança
  68. Ruas com necessidade de asfalto
  69. Falta área de lazer
  70. Falta de fiscalização das festas em Silvestre
  71. Terreno da creche já foi comprado mas ainda não foi construída
  72. Falta de uma anel viário que desafogue a Castelo Branco
  73. Estacionamento de carros na ESUV impedindo a passagem de carros
  74. Postes de linha de alta tensão dentro de propriedades rurais
  75. Trânsito com fluxo que não favorece a fluidez, excesso de ruas com mão dupla, principalmente no centro
  76. Falta de rotatórias ao longo da Castelo Branco e rodovia que leva até o Novo Silvestre

PONTOS POSITIVOS
  1. Violeira: presença do CTA (centro de tecnologia alternativa), padaria comunitária e da associação de moradores
  2. Violeira: coleta de lixo em horário determinado
  3. Violeira: Ainda temos boa quantidade de cobertura vegetal; potencial para criação de corredores ecológicos; ambiente ainda relativamente sossegado
  4. Cidade: fornecimento de água com qualidade; ações pontuais da UFV (projetos/pessoas); pessoas ainda interessadas em discutir os problemas da cidade
  5. Silvestre: abastecimento de água; transporte coletivo
  6. Violeira: pólo que concentram artistas e atividades culturais, faz parte do roteiro turístico da Violeira implementado pelo departamento de turismo
  7. Organização da associação de moradores da Inconfidência para fazer valer as leis de uso e ocupação do solo, e manter a segurança do bairro
  8. Violeira: relativa noção de comunidade; os moradores
  9. Silvestre: coleta de lixo em horário determinado; coleta de lixo reciclável; fácil acesso ao bairro; não é necessário ir ao centro da cidade para ir ao supermercado, farmácia, verduraria, etc
  10. Posto de saúde bom (médico cubano)
  11. Transporte escolar bom e gratuito
  12. Bairro em crescimento e novos comércios
  13. Sociedade organizada (associação bairro João Brás)
  14. Projetos sociais desenvolvidos pela comunidade da Violeira
  15. Envolvimento da comunidade – conhecimento dos anseios para uma comunidade que valoriza o bem comum
  16. Ônibus escolares
  17. Estas reuniões para melhorar a cidade
  18. Tranqüilidade do bairro Inconfidência pela ausência de comércio e prédios

SUGESTÕES
  1. Fazer valer o orçamento participativo
  2. Criação do espaço de lazer (arborizado) no entorno da linha férrea (Silvestre – Vau-açu)
  3. Maior divulgação dos gastos (recursos) do município
  4. Integração das secretarias
  5. Maior fiscalização da gestão dos recursos – fortalecer os conselhos municipais
  6. Construção de creches comunitárias e capela mortuária no Silvestre
  7. Maior fiscalização na construção de bairros e condomínios, principalmente por causa da água
  8. Não alargamento das estradas na Violeira
  9. Projeto readequando os postes nas vias públicas
  10. Multa por construir sem projetos
  11. Fazer e seguir o projeto
  12. Violeira: Desenvolver estudo e zoneamento da vocação econômica / cultural / ambiental de todo o bairro
  13. Promover o controle de tráfego de veículos, ciclistas e transeuntes, de forma peculiar a cada bairro
  14. Criar centros de reciclagem nos bairros
  15. Pavimentação e estrada de baixo custo com solo-cimento compactado
  16. Encaminhar projeto de uso do solo
  17. Realizar fiscalização nas festas e aluguel de casa de festas
  18. Drenagem / escoamento / água estimada
  19. Construção de oficinas de trabalho para os adolescentes nas escolas
  20. Mais dentistas para as crianças
  21. Mais policiamento nas ruas, e não só nas avenidas
  22. Potencial turístico com a ferrovia e cachoeira
  23. Trituração de resíduos de obras e destinação às vias rurais (relação do PDU com a política mineira de gestão de resíduos)
  24. Manutenção das estradas cascalhadas (solo-cimento)
  25. Atualização continua da base cartográfica com base em cadastro técnico multifinalitário
  26. Manilhamento dos pontos críticos do escoamento de água est. (Violeira)
  27. Integração das ações da prefeitura com as associações de moradores para melhorar a infraestrutura, segurança, limpeza; por meio de incentivos, ações compartilhadas e parcerias
  28. Cobrar do poder público o cumprimento do Plano Diretor e das leis referentes à infaestrutura
  29. Divulgar a população sempre que uma meta do Plano Diretor for cumprida, mostrando que vale a pena participar
  30. Novo desenho urbano da rodoviária, do pontilhão de Silvestre até o centro
  31. Construir rede pluvial nas ruas
  32. Melhoramento da escola Anita Chequer
  33. Melhorias na segurança (Policiamento e limpeza dos lotes abandonados)
  34. Asfalto nas ruas com maior número de casas e com maior tráfego
  35. Revisão da Lei de uso e ocupação do solo
  36. Construção de praça e área de lazer no bairro João Brás
  37. Construção de centro Cultural
  38. Construção do Anel Rodoviário
  39. Escoamento das águas pluviais: construção de calhas para captação da água da chuva dentro do seu terreno, diminuindo água para estrada
  40. Encaminhamento da lei de uso da terra na comunidade Violeira (ETA II)
  41. Implantação da APA da Violeira
  42. Divulgação do Plano Diretor nas Igrejas e escolas
  43. Posto policial ou policiamento com maior freqüência
  44. Controle máximo das festas feitas em Silvestre ou tirar do bairro
  45. Participação das faculdades junto aos bairros
  46. Arborização urbana, principalmente em áreas mais afastadas, sem construção civil
  47. Violeira: fortalecer a pedagogia da alternância as famílias de produtores rurais;
  48. Aumentar a rede de telefonia e infovias nas zonas rurais e de expansão;
  49. Melhorar a segurança e os serviços de distribuição de energia elétrica;
  50. Fortalecer o incentivo de geração de energia solar
  51. Limpeza e capina nas ruas do bairro Silvestre
  52. Mais segurança para a comunidade
  53. Construção de creches comunitárias
  54. Construção de capela mortuária
  55. Área de lazer para os jovens

domingo, 26 de abril de 2015

Linha aérea

Linha férrea no Vale do Sol, Viçosa,MG. Acesso interrompido, trilhos pendurados. Uma situação que perdura há vários anos sem solução. Foto Ítalo Stephan, 2015.

Esta é a situação da linha férrea e da ligação entre a Igreja de São João Batista e o Vale do Sol. Há anos a passagem é uma ponte de madeira, com acessos nas pontas em barranco. Moradores que estiveram nas reuniões da revisão do Plano Diretor de Viçosa pediram providências.

Vista de quem vem da igreja. Acesso muito difícil para idosos e crianças. Pior quando chove. Foto Ítalo Stephan, 2015.

Vista de quem vem do Vale do Sol. Solução precária. Local perigoso, sem iluminação.
Foto Ítalo Stephan, 2015.

Bairros rejeitam zoneamento que garante áreas de moradia popular

Importante matéria  para ler, guardar e ler outras vezes.

Bairros rejeitam zoneamento que garante áreas de moradia popular. Acesse:

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2015/04/1620972-bairros-rejeitam-zoneamento-que-garante-areas-de-moradia-popular.shtml



Figuras: http://slideplayer.com.br/slide/1234976/ e http://pt.slideshare.net/mayaravirgulino/estatuto-da-cidade-e-instrumentos

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Tempos modernos?

Condomínio fechado em Porto Firme, MG. Foto Ítalo Stephan, 2015.

Porto Firme,  um município da Zona da Mata mineira, com 10.400 habitantes, e com menos de 5.000 pessoas na área urbana, recebe seu primeiro condomínio fechado. Uma cidade deste porte precisa mesmo de um condomínio fechado?

Condomínio fechado em Porto Firme, MG. Foto Ítalo Stephan, 2015.

Um enorme impacto ambiental, aparentemente feito sem estudos. Cortes imensos de terras, ruas inclinadas, lotes em barrancos, que qualidade devida será encontrada aí?

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Bola prá frente.

Fiz parte de um período único em Viçosa – o da criação de uma entidade que nasceu com a missão de enfrentar a corrupção e que almeja o desenvolvimento sustentável.

Lutamos lutas incríveis em torno de ideais nobres. Ficamos expostos, mostramos as nossas caras, enfrentamos muitos perigos e ameaças.

Conheci pessoas dedicadas e corajosas, com a garra de cidadãos que nossa cidade merece. Como eles, enfrentei muitas vezes doenças, estresses e as caras de preocupação de esposa, filhas e de amigos.

Divergências ideológicas aconteceram ao longo do caminho e não me sinto mais à vontade.

Após refletir o bastante, chego ao ponto de considerar que não posso mais representar a Ameviçosa.

Mas não deixo meus princípios que a vinte e dois anos me norteiam aqui, que é teimosamente insistir e acreditar que há horizontes mais favoráveis. Não deixo de ser Arquiteto e Urbanista, não deixo de ser cidadão. Continuarei a ser político sem ser partidário.

Desejo boa sorte aos colegas da Ameviçosa, e desejo que esta importante entidade siga seu caminho. Que reforce sua posição de observadora crítica e que continue a lutar por uma Viçosa melhor.

Viçosa, 23 de abril de 2015

Cine-Teatro Brasil em Viçosa


Memória viçosense.

terça-feira, 21 de abril de 2015

REUNIÃO PÚBLICA EM SÃO JOSÉ DO TRIUNFO

REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE VIÇOSA
REUNIÃO PÚBLICA EM SÃO JOSÉ DO TRIUNFO (15/04/2015)
PONTOS NEGATIVOS


1. Rua com buracos
2. Bueiros com tampão quebrado
3. Ruas cheias de mato
4. Falta de policiamento
5. Saúde S. J. do Triunfo muito precária
6. Segurança está péssima
7. Ruas sem infraestrutura
8. Há uma quadra abandonada no bairro que aumenta a insegurança
9. Falta de vidros e portas na creche
10. Falta de médicos no PSF
11. Mato na quadra do bairro
12. Ruas com buracos
13. Falta de posto policial
14. falta de porteiro na escola (horário do recreio)
15. Falta de infraestrutura na ONG (MOBILE)
16. Falta de bueiros
17. Asfalto
18. Médico competente
19. Lotes sujos
20. Falta iluminação em algumas ruas
21. Lixo fora do horário
22. Capela mortuária irregular
23. Quadra poliesportiva mal acabada
24. Ruas sem capinas
25. Invasão, parcelamento de solo no bairro
26. Loteamentos e condomínios irregulares
27. Lixos espalhados nas ruas, transmissão de doenças
28. Falta posto policial
29. Falta asfalto de qualidade, várias ruas estão em péssimas condições, pedras fincadas que estragam nossos pés
30. Coletas de lixo, várias ruas não tem lugares apropriados para o depósito do mesmo
31. Entretenimento para jovens e adolescentes
32. Saúde está péssima, médicos apenas três dias na semana
33. Falta pediatra no posto de saúde
34. Linha de ônibus não vão mais nos hospitais
35. falta de abrigo nos pontos de ônibus
36. Nossos representantes não são capazes de fazer projetos para S. J. do Triunfo
37. As ruas não tem calçamento de verdade
38. A segurança pública precisa melhorar
39. Falta de asfalto na rua S. João Batista e rua São José
40. Falta de um ônibus circular no bairro
41. Placas e carros em cima das calçadas; mau exemplo. Até de um vereador proprietário de um mercado
42. A empresa União melhorar os horários de ônibus e prestar o serviço decentemente para  a comunidade (melhorar as lotações ou deixar entrar outras empresas)
43. Ruas cheias de buracos (precisa asfalto)
44. Falta de segurança
45. Os banheiros da escola estão todos estragados
46. Quadra cheia de mato e portão quebrado
47. Crescimento populacional desordenado sem infraestrutura e planejamento
48. Violência
49. Educação precária
50. Ruas sem acessibilidade
51. Poluição do córrego que passa dentro do bairro
52. Falta de ocupação para jovens e adolescentes
53. Coleta de lixo deficiente
54. Melhoria da creche e da escola municipal
55. Abandono geral: Ruas cheias de buracos, quadra sem funcionar, má gestão pública (descaso com o município), falta de espaço para prática cultural
56. Melhorar o calçamento das ruas principalmente a João Batista
57. Rede pluvial não é boa
58. Não tem posto policial
59. Atendimento ruim nos hospitais
60. Bairro: excesso de drogas no bairro, falta de médicos (são ruins), ruas muito ruins, falta de segurança, iluminação precária, falta área de lazer
61. Viçosa: trânsito horrível, vias mal planejadas, insegurança, falta de espaço para lazer público, falta escola pública profissionalizante, falta empresas e inclusão no mundo do trabalho
62. Falta de médicos diariamente nos postos de saúde
63. Falta de acessibilidade nas ruas e calçadas
64. Coleta de lixo no morro (rua São Sebastião)
65. Falta de atividade esportiva para meninas
66. Posto policial
67. Falta de Médicos a semana toda
68. Recorreção nas bocas de lobo
69. Falta de passeios adequados para deficientes
70. Segurança publica
71. Muitos cachorros nas ruas
72. Quadra poliesportiva abandonada
73. Calçamento ou asfalto nas ruas, a principal rua João Batista

PONTOS POSITIVOS
1. Escola
2. ONG
3. Transporte coletivo
4. Hospital
5. Coleta de lixo
6. Com atendimento no posto de saúde, laboratório de analises
7. Participação da comunidade em reuniões e eventos sociais (movimentos)
8. Farmácia
9. Projeto Ajuda a nos ajudar
10. ONG no bairro (MOBILE)
11. Praça
12. Transporte público
13. União dos moradores
14. o bairro é bom para morar
15. Bairro: igrejas, catequese, ONG, escola, escola de futebol
16. Viçosa: UFV, hospital (ainda que possa melhorar), escola de música, APAE, Lar dos Velhinhos
17. A ONG
18. Rua Celina Ladeira
19. Quadra esportiva, só precisa de cuidados
20. Posto de saúde
21. A comunidade está sempre pronta para ajudar as pessoas
22. Coleta para lixo reciclável
23. Comunidade unida que abraça os projetos que ajudam as pessoas necessitadas, principalmente com relação à saúde

SUGESTÕES
1. Criar um Distrito Industrial visando a sustentabilidade, entre o Parque de Exposições de S. José e e a área da parte de cima do Aeroporto
2. Distrito industrial no Parque de Exposições
3. Completar a ciclovia de S.J. do Triunfo para Viçosa
4. Melhorar o cemitério
5. Ambulância para o Posto de saúde
6. Asfaltar as ruas
7. Posto Policial
8. Nutricionista
9. Lazer
10. Mais médicos
11. Canalizar o esgoto que é lançado no córrego
12. Capacitação para funcionários de educação para melhorar a educação; cursos profissionalizantes
13. Construção de clinicas para dependentes químicos
14. Coleta seletiva
15. Incentivar as novas construções a captar águas de chuva
16. Melhorar as cadeiras do PSF
17. Colocar a a quadra para ser utilizada em prol de toda a comunidade
18. Asfaltar ou colocar um calçamento descente nas ruas
19. O SAAE deveria aproveitar os estudantes da UFV e criar projetos para preservar a água da chuva
20. Acessibilidade para todos os deficientes
21. Construir uma ciclovia
22. Construir uma passarela em frente ao Posto Militar
23. Área de lazer para idosos com aparelho de exercício
24. Construção de mais casas populares
25. Construir uma área de lazer no espaço do parque de exposições, para as escolas levarem os alunos
26. Melhorar a quadra da prefeitura (colocar quadra de vôlei, basquete, pista para skate)
27. Piscina pública
28. Área de lazer para idosos com aparelho de exercício
29. Distrito industrial ao lado do aeroporto, no campo de pesquisa da UFV, às margens da BR 120
30. Tornar a gestão pública mais eficiente
31. Segurança pública (Posto Policial)
32. Maior presença da administração nas regiões do município
33. Mais asfaltos
34. Melhoria da creche
35. Academia ao ar livre
36. Hidroginástica para os idosos
37. Quadra de espore com segurança
38. Reduzir a taxa de água e luz
39. Manter o enfermeiro Felipe na comunidade
40. Segurança pública melhor em tudo
41. Ter outros tipos de esportes para as crianças, meninos e meninas
42. Ter um pediatra e clínico geral
43. Colocar Containers de lixo nas ruas
44. Colocar um posto policial no bairro
45. Construir uma creche urgente no bairro
46. Construir uma academia ao ar livre
47. Deveria ter tratamento oncológico no município
48. Mais policiamento
49. Geração de empregos
50. Fiscalização nos bairros
51. Cursos profissionalizantes (SENAI)
52. Melhoramento da capela mortuária
53. Melhorar segurança
54. Investir na cultura, esporte e lazer
55. Colocar mais médicos no atendimento de urgência e emergência nos hospitais
56. Melhorar o policiamento nos bairros
57. Asfaltamento urgente
58. Posto policial
59. Mais ônibus nos horários de pico
60. Médicos fixos no PSF
61. Atendimento dos vereadores às necessidades da população
62. Recorreção nas bocas de lobo
63. Melhorar a creche (verba descente na creche e escolinha)
64. Mais horários de lotação
65. Capela mortuária completa (faltam alguns acessórios)

domingo, 19 de abril de 2015

MINHA CIDADE MINHA VIDA


Texto publicado no jornal Tribuna Livre, em 15/04/2015

Nada como ter os grandes nomes de estudiosos sobre o planejamento urbano dizerem o que nós também tentamos dizer aqui nos nossos cantos. Em uma importante entrevista (Brasil de Fato, de 29 de janeiro de 2015), a Arquiteta e Urbanista Raquel Rolnik afirmou: “Antes tínhamos os sem-casa, agora estamos criando os “sem-cidade”. O programa habitacional Minha Casa Minha Vida foi um grande avanço, mas um avanço que tende a ir em direção ao abismo. Tem de haver muito mais da porta para fora. Tem de haver uma cidade, uma cidade com creches, parques, praças, comércio, serviços, transporte barato, pontual, abundante e de qualidade. O mundialmente famoso professor britânico David Harvey considera o programa do governo “uma ideia horrível, porque sugere que a vida do indivíduo é em sua casa”, e não é, “pois as pessoas vivem em ambientes e a qualidade desses ambientes são fundamentais”.   É isso que os nomes mais conhecidos falam, insistem, que nós também insistimos. É nisso que as políticas urbanas têm de se apoiar e realizar muito mais que ampliar estatísticas de sucessos, pois as estatísticas de problemas sociais crescem juntas.

Há muitas lacunas no planejamento urbano, e a da habitação social sustentável é das mais graves. Um dos fatores que preservam essa terrível prática é que há uma enorme quantidade de terrenos vazios dentro da cidade, que são mantidos vazios por pura especulação. O Estatuto da Cidade inclui a questão da função social da propriedade. Deixa claro que um amplo terreno vazio, não construído ou parcelado, ou um imóvel vazio, ou subutilizado, dentro de área urbana com infraestrutura não está cumprindo essa função. Isso é um dos fatores que empurram populações para áreas afastadas sem a infraestrutura adequada, que expandem insustentavelmente os limites da cidade, encarecendo os custos e inviabilizando a garantia da oferta de pavimentação, transporte e saneamento. Isso também destrói as áreas rurais onde estão os mananciais. É o que ocorre com as tímidas, mas perigosas, soluções de conjuntos habitacionais com fins sociais, pois são jogados para as bordas desestruturadas das cidades.

Falta coragem, por parte dos prefeitos, de aplicar o remédio, que é o triplo instrumento da edificação, parcelamento ou ocupação compulsória, IPTU progressivo no tempo e desapropriação. A primeira etapa consiste em dar um prazo – digamos dois anos - ao proprietário de um grande terreno para que ele construa ou parcele. Isso vale para proprietário de imóveis vazios ou subutilizados. Caso isso não ocorra, aplica-se o IPTU progressivo no tempo, até que os valores do imposto cheguem, em cinco anos, até aos 15% do valor do imóvel. A terceira etapa ocorre quando, decorridos 5 anos de progressão do imposto, o  município pode desapropriar o imóvel com títulos da Dívida Ativa da União. Do Estatuto da Cidade, falta também a coragem de estabelecer Áreas de Especial Interesse Social para a alocação de habitação social, dentro da mancha urbana que possui infraestrutura, nos terrenos utilizados apenas para especulação. Essas áreas não podem ser alocadas apenas nas áreas rurais, pois exclui a fatia da população mais carente de cidade e de cidadania.

Não se pode persistir nos erros que agravam a exclusão, os problemas sociais, que ampliam a injustiça social. Esse é o pior dos mundos.

sábado, 18 de abril de 2015

Parabéns aos que participaram

Homo Umbilicus. Desenho Ítalo Stephan, 2015

Parabéns às centenas de cidadãos que participaram nas 20 reuniões públicas da revisão do Plano Diretor de Viçosa.
Parabéns aos que largaram seus umbigos, o conforto da casa; deixaram de lado o  cansaço, as frustrações de reuniões passadas; deixando contribuições que poderão fazer a diferença para os milhares que deixaram seus umbigos manter a indiferença. 
Parabéns às pessoas, a grande maioria  humildes,  que não hesitaram em contribuir, que pensaram questões não apenas de suas ruas, que se preocupam com os seus bairros e com Viçosa.
Os moradores de Viçosa, em sua grande maioria sofrem com uma enorme injustiça social,  Para quem mora aqui são exigidos esforços físicos que muitos não têm condições. Para o morador mais humilde, prevalece a precariedade das vias, das calçadas, das travessias das vias, dos pontos de ônibus, das escolas, creches, postos de saúde, do transporte coletivo, do saneamento básico. A qualidade da habitação é péssima. Há tantos obstáculos concretos a serem transpostos, que o direito à cultura nem chega a ser lembrado. Há uma enorme dívida social com os moradores de Viçosa. 
Viçosa agradece muito aos verdadeiros cidadãos!

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Reunião Pública em Cachoeirinha

Revisão do Plano Diretor de Viçosa - Reunião Pública no distrito de Cachoeirinha.

 Reunião Pública em Cachoeirinha em 16 de Abril de 2015. Foto Luísa Tristão, 2015.

Reunião Pública em Cachoeirinha, muito produtiva.  Foto Luísa Tristão, 2015.

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Revisão do Plano diretor de Viçosa em São José do Triunfo

Reunião pública da revisão do Plano diretor de Viçosa

 Antes da reunião, uma linda apresentação do grupo de dança da  ONG Mobile. Foto Ítalo Stephan, 2015

 Reunião da revisão do Plano diretor de Viçosa em São José do Triunfo  em 16 de abril de 2015. Foto Ítalo Stephan, 2015.

 Reunião da revisão do Plano diretor de Viçosa em São José do Triunfo.  Um bom público. Foto Ana Cristina Maria, 2015.

Reunião da revisão do Plano diretor de Viçosa em São José do Triunfo. Grupos discutindo os pontos e sugestões.Foto Ítalo Stephan, 2015

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Reunião Pública - bairro Santo Antônio

Mais uma boa reunião da revisão do Plano Diretor de Viçosa, com moradores do bairro Samto Antônio.

 Reunião pública - bairro Santo Antônio, dia 14/abril 2015. Igreja de Santo Antônio. Foto Ítalo Stephan.

Reunião pública - bairro Santo Antônio, dia 14/abril 2015. Igreja de Santo Antônio. Foto Ítalo Stephan

 Reunião pública - bairro Santo Antônio, dia 14/abril 2015. Igreja de Santo Antônio. Foto Luísa Tristão.

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Próximas reuniões da revisão do Plano Diretor de Viçosa

Convite a participar!
As reuniões públicas ainda não acabaram!
Nesta Semana:
Dia 14/04 - Santo Antônio - 19 h - Salão da Sociedade São Vicente de Paulo

Bairro Santo Antônio - o mais populoso de Viçosa. Foto Ítalo Stephan, 2014

Dia 15/04 - 19 h - São José do Triunfo - Escola Estadual José Lourenço de Freitas

Praça de São José do Triunfo. Foto Ítalo Stephan, 2015

Dia 16/04 - 19 h - Cachoeirinha - Escola Municipal

Praça de Cachoerinha. Foto Ítalo Stephan, 2015

sábado, 11 de abril de 2015

Oportunidade (quase) Perdida

Uma via de grande potencial ameaçada de se tornar uma via igual a qualquer uma.

A Avenida Antônio Lopes Lelis, no bairro Santo Antônio,é uma das tantas oportunidades perdidas para que as novas vias não repitam o padrão esquálido, inadequado de ruas de 90 anos atrás.
É uma via arterial de um bairro que está nascendo errado, com vias que desembocam nela mais longas que a legislação permite.  As novas construções ignoram o alinhamento com a avenida. Proprietários de terrenos valiosíssimos ainda não construíram as calçadas. As conexões com as outras vias são caóticas e carecem urgentemente de soluções muito melhores que as de hoje.

Ainda poderá ser assim, é só querer.

Rogo ao IPLAM que avalie, enquanto é tempo, as possibilidades de manter uma avenida larga; resolver as ligações com a cidade de uma maneira decente;  exigir as calçadas dos proprietários - e que elas sejam largas e acessíveis - e que as construções sigam o alinhamento. E que haja uma praça pública!


É possível estudar outras vias e que sejam exigidos dos loteadores as áreas institucionais obrigatórias por lei, em terrenos que possam ser construídos, não em barrancos como os espertos loteadores deixam.

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Resultados da Reunião de 30/03/2015


Revisão do Plano Diretor de Viçosa
Resultados da Reunião Pública, no Laranjal, em 30/03/2015

Reunião muito produtiva, mas mostra um retrato de muitas décadas de dívida do Estado para com uma população excluída de direitos à cidade.

PONTOS NEGATIVOS

1. Falta reparo nas linhas de telefone fixo e celulares
2. Falta passeio para cadeirantes
3. Falta área de lazer para os jovens  mais oficinas de artes para pessoas com necessidades especiais
4. Falta casa de repouso para as pessoas com necessidades especiais
5. Transporte público como monopólio
6. Transporte coletivo não é pontual, poucos horários, pior nos fins de semana; não tem abrigos
7. Animais na rua, cachorros e cavalos
8. Quebra molas
9. Abandonos de terrenos públicos (ex: matagal no terreno do antigo colégio do bairro Amoras, cobras, ratos, lagartos...)
10. Ruas S. Tiago, Amoras. Calçamento péssimo e sujeira
11. Bairro Vau-Açu: falta de bueiros para escoamento de águas pluviais; falta de passeios e acostamentos para pedestres ; respeito à lei do silêncio (fazer valer a lei); Falta áreas de lazer para crianças e adolescentes (parques recreativos); arborização nas ruas e adjacências ao bairro; horários flexíveis de ônibus para moradores
12. Vau-Açu: Falta calçamento na travessa Gumercindo Iglesias; oficinas mecânicas que deixam carros nas ruas
13. Oficinas mecânicas e ferros velhos com carros na rua
14. PROERD nas comunidades (falta)
15. Faltam creches e apoio às mães que trabalham em períodos integrais
16. Calçamento na Travessa Maria Isabel ( bairro Laranjal)
17. Posto de saúde
18. As pontes para o Laranjal
19. Asfalto para o morro para onde vai a Venda do Joel
20. Falta de áreas de lazer (Vau-Açu)
21. Falta de uma creche (Vau-Açu)
22. Ruas com pedra fincada, precisa asfaltá-las (Vau-Açu)
23. Falta iluminação de Vau Açu – Marques
24. Falta calçamento de vai Açu e Marques
25. Matagal nas ruas
26. Sucata de carros pelas ruas (Vau Açu)
27. Falta redutor de velocidade na Av. Gumercindo Iglesias no trecho Vau Açu a Silvestre
28. Matagal no final da rua Dona Petronilha
29. Médicos de origem estrangeira precisando de intérpretes para auxiliá-los nos resultados dos exames
30. Não temos rede pluvial nem bocas de lobo no bairro, na rua Sebastião Maria a água do Amaro e escorpião descem água de chuva
31. Só tem buracos, os idosos não podem nem ir à igreja
32. Fazer urgente: boca de lobo, porque as águas que vem das altas descem tudo pelas nossas ruas trazendo lixo e terra pelo asfalto, fazendo um grande atoleiro
33. Falta de PSF no Laranjal
34. Pontes caídas
35. Ruas sem calçamento
36. Muita criação nas ruas do Laranjal: cavalos, cachorros
37. Muito buraco e mato na rua
38. Precisa fazer a ponte do Laranjal
39. Lotes sujos
40. Pontes, asfaltos em algumas ruas
41. Mais horários para os ônibus no bairro Laranjal
42. Limpeza das ruas; construção das pontes
43. Asfalto na rua Inês de Castro e no morro do Conselheiro Lafaiete
44. Veículos abandonados pelas ruas do bairro Vau Açu
45. Falta calçamento na travessa Paulina Cunha Batalha (Vau Açu)
46. Oficinas colocando materiais nas ruas (Vau Açu)
47. Excesso de cachorros de ruas em Vau Açu
48. Buracos, matos nas ruas do contorno, São Thiago, São Judas Tadeu, bairro Amoras. Asfalto nas ruas citadas
49. Para o bairro São José: não ser atendido nas urgências, principalmente neste ponto das obras, como membro da associação está fracassando, além da falta de colaboração dos moradores
50. Para a cidades foi falta de planejamento porque a própria universidade está matando as nascentes, os condomínios ricos também matam as nascentes sem problemas. Tem bairros que poderiam ter uma pequena estação de água
51. Pavimentação: ruas sem asfaltamento, principalmente na Maria Marques e Francisco Marques pessoas com dificuldade de locomoção.  Pirulito no trevo das ruas Gumercindo Iglesias e Antonio Marques Faustino
52. Falta de assembléias com os moradores da cidade
53. Capina e roçamento entre bairros Vau Açu e Amoras
54. Asfalto entre Floresta e Vau Açu
55. Escorpiões na via férrea
56. Falta placas-iluminadores nos quebra molas
57. Coleta e limpeza pública – horários definidos
58. Falta de iluminação no final da rua Dona Petrolina (Laranjal)
59. Falta de um posto de saúde PSF em Vau Açu
60. Falta de bons governantes para Viçosa, que tenha bom planejamento
61. Fiscalização para oficinas na Av Gumercindo Iglesias com carros estacionados em locais impróprios
62. Iluminação  no pátio da Igreja São Francisco que serve até para se ter direito a um pouco de lazer
63. Falta de amor com as pessoas com deficiências, em especial com os deficientes visuais. São pessoas especiais que precisam de respeito como qualquer outra pessoa
64. Falta de espaço para estacionamento de veículos
65. Falta de firmas em Viçosa
66. Ausência de médicos em Viçosa
67. Passarela para pedestres
68. Linha de telefone muito ruim fixo e celular no Laranjal
69. Os lixos estão sendo colocados no chão; estamos com poucos containeres para suportar tanto lixo, ai os cachorros carregam e rasgam  todo o lixo para procurar comida
70. Faltam horários na linha: Vau Açu – UFV, principalmente a noite para levar e trazer estudantes da UFV. A linha tem horário até 17:30 (ida) e pára buscando estudantes só às 22:30
71. Marques não tem ônibus, não tem iluminação pública na estrada que dá acesso ao bairro. A população está totalmente abandonada
72. Tem 28 anos que luto para fazer rede pluvial e calçamento na rua Teresa Sebastião Maria.
73. Quando as pessoas com necessidades especiais ficam sem famílias, não tem onde ficarem ou quando envelhecem
74. Falta de bancos na praça do Laranjal
75. Falta de  quebra molas no bairro Laranjal
76. Ponto de ônibus no bairro Laranjal e bairros vizinhos
77. Associação procura por melhorias, só não são atendidos, por exemplo, a ponte do Laranjal
78. Falta de fábricas em Viçosa para gerar empregos
79. Calçada na “Nove Cruzes ate o bairro Cidade Nova” e do bairro Amoras até o Silvestre
80. Ônibus no Laranjal aos sábados das 6:30 às 13:00, aos domingos não tem nenhum horário. Dia de semana não às 22:00. Precisa de quebra molas
81. Falta mais estacionamento
82. Falta postes de iluminação no final da rua Tiago, mais centenas na rua do Contorno

PONTOS POSITIVOS

1. Temos aqui no bairro uma boa escola, várias creches, fábricas, comércios, igrejas, temos também o Instituto Vida Aquino bairro que oferece várias cursos para a comunidade. Temos tudo para ter um bairro bem bonito e muitopara melhorar cada vez mais o nosso bairro
2. Generosidade e hospitalidade do povo de Viçosa
3. Apesar de todos os problemas, Viçosa é uma cidade de povo atencioso e generoso, em especial ao bairro Vau Açu tem pessoas atenciosas e preocupadas uma com as outras. Amo meu bairro e minha cidade!
4. Carteirinhas de passe escolar para os alunos que estudam mais longe
5. A escola é boa
6. O Instituto Vida é uma boa para os jovens

SUGESTÕES

1. Mais creches para as mães deixarem os filhos em tempo integral para as mães que trabalham o dia todo
2. Limpeza da linha férrea
3. Mais fábricas para Viçosa
4. Mais cursos profissionalizantes para emprego e ocupação dos jovens para tira-los da rua e do mundo do crime
5. Mais presença da polícia nos bairros para maior segurança
6. fazer uma boa ciclovia na beira linha para sair do trânsito do centro das ruas
7. Mais iluminação e segurança nas ruas
8. Construir uma nova ponte no Laranjal
9. Calçamento/asfalto na rua da creche
10. Ruas asfaltadas – boca de lobo – rede pluvial – limpar os lotes (Bairro Boa Vista)
11. Construção das duas pontes
12. Rede pluvial que não temos
13. Capina nas ruas
14. Melhoria do transporte no Laranjal
15. Parceria com a UFV para o desenvolvimento local, uma vez que esta instituição possui inúmeras pesquisas que podem ser aplicadas na cidade
16. Mais consultas para médicos especialistas, principalmente para as pessoas especiais
17. Ônibus para a UFV nos dias de sábado
18. Reunião no mínimo de 6 em 6 meses como presidente do bairro
19. Pavimentação das ruas São Tiago e a travessa São Tiago
20. Asfalto, limpeza e capina das ruas
21. Ponte para Barrinha
22. Ponte perto da Pif Paf para atravessar para a Matriz são João Batista
23. Dentista no posto de saúde
24. Reforma da praça do Laranjal
25. Passarela: bairro Laranjal a Nove Cruzes
26. Temos um lugar na escola que vive cheio de mato, podem fazer uma grande quadra de lazer e horta comunitária
27. Mais oportunidades para jovens de Viçosa
28. Mais atenção do SAAE
29. Asfaltar rua: 12 de outubro, 7 de setembro e Primeiro de maio com cadeirantes
30. Dentistas no PSF Amoras
31. Coleta Seletiva
32. Creche, transporte, melhoria na coleta seletiva de lixo, Área de lazer, Sinalização (Boa Vista)
33. Proteger as nascentes: estimular as comunidades com a revitalização das nascentes (projeto interessante – Globo Rural)
34. Vinda de mais fábricas para Viçosa
35. Redutores de velocidade, av Gumercindo Iglesias
36. Ter mais de 5 min para os cidadãos falarem na tribuna da câmara por vez
37. Asfaltamento de ruas no Vau Açu
38. Passar a corrocinha para pegar cachorros de rua
39. Colocar novos horários na linha Vau Açu-UFV de hora em hora e principalmente a noite para servir os estudantes
40. Área de lazer, rua da esportiva
41. Recolher os veículos sucateados ao lado da avenida
42. Asfalto na rua principalmente Boa Vista
43. Coleta de lixo e escola no bairro Boa Vista
44. retorno da casa de artes aqui em Viçosa porque já teve e e foi acabada principalmente para as pessoas especiais
45. Asfalto na rua principal do bairro Boa Vista
46. Casa de apoio à dependentes e familiares
47. Fiscalização em bares a noite com menores
48. Placas educadoras sobre horário do caminhão de lixo
49. Para pegar o lixo da rua Santos Agostinho: aumentar o número de pessoas para varrer e capinar, recolher o lixo das ruas sem saída no carrinho de mão
50. Fazer valer o plano diretor
51. Audiência nas áreas monitoradas pelo plano diretor
52. Limitadores de velocidade nas ruas
53. Construção do PSF no bairro Amoras onde constava a escola
54. Asfalto para Rua Manuel Venuti no Laranjal e mais iluminação e mais capina
55. Projetos sociais para menores e adolescentes para socialização aos mesmos, integração desses jovens (16 anos) – primeiro emprego
56. Fazer uma limpeza na beira linha para  poder fazer uma pista para caminhada e lugar para nossas crianças brincar
57. Redutores de velocidade nas ruas do bairro Amoras
58. Presença de delegados na reunião da câmara com direito a palavra na tribuna da câmara com direito a mídias locais
59. Construção de uma praça maior no Laranjal com espaço de lazer para crianças
60. Construção de área de lazer para crianças no Vau Açu
61. Com projetos bons, pessoas justas e sabias para o governo .... principalmente para as pessoas mais necessitadas
62. Mais empresas em Viçosa
63. mais fábricas com mais empregos
64. Uma ciclovia em Viçosa (nos bairros)
65. Melhoria na iluminação pública com lâmpadas mais fortes
66. SAAE precisa ter mais cuidado com as ruas que são o grande causador de buracos nas ruas
67. Desenvolvimento econômico
68. Cultura e lazer
69. Fiscalização rigorosa para o meio ambiente, em especial às nascentes e aos animais em extinção
70. Arca de lazer
71. Mais empresas para Viçosa
72. Conservar a natureza
73. Cuidar melhor dos rios
74. Segurança em Viçosa
75. Capinar o mato próximo a pinguela
76. SAAE - consertar áreas arrombadas para manutenção
77. Policiamento ostensivo: veja menores nos bares e ruas até altas horas
78. A prefeitura entrar como material e os moradores com a mão de obra
79. Construção de quebra-molas (Laranjal)
80. Reforma das escolas
81. Investimento em adolescentes e jovens em esportes e outros (academia ao ar livre)

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Revisão do Plano - Reunião sobre Desenvolvimento Rural



Revisão do Plano Diretor de Viçosa - Reunião do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável, em 06/04/2015. Muitos presentes, onde foi enfatizada a importância da implementação do Plano pelo Conselho, desenvolvido em 2013.

Convite a participar!


Revisão do Plano Diretor de Viçosa

Convite a participar!
As reuniões públicas ainda não acabaram!
Semana que vem:
Dia 14/04 - Santo Antônio - 19 h - Salão da Sociedade São Vicente de Paulo
Dia 15/04 - 19 h - São José do Triunfo - Escola Municipal
Dia 16/04 - 19 h - Cachoeirinha - Escola Municipal

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Minha casa minha vida em 2015

Conjunto residencial do Programa minha Casa Minha Vida, nos Coelhas, Viçosa, 2015. O tempo passa, o local fica cada vez mais mal cuidado. O que se espera de um local assim, longe de tudo, inclusive longe da cidade, com um parquinho destruído, sem um espaço comunitário?

domingo, 5 de abril de 2015

A mesma coisa?

Todos os dias automóveis param em frente ao Supermercado Escola, no Campus da UFV, em local de estacionamento proibido.

Importante dizer que no Campus deveria valer a mesma coisa que na cidade.
Uma vergonha!

sábado, 4 de abril de 2015

CONSCIÊNCIA CIDADÃ

Reunião pública da revisão do Plano Diretor em 30 de março de 2015.

Texto publicado no jornal Tribuna Livre, Viçosa-MG, de 01/04/2015

A participação popular é reconhecidamente um ponto essencial na elaboração de política pública urbana. É obrigatória na elaboração da revisão do Plano. O plano de Viçosa vigente é de 2000, portanto já está defasado em quase quinze anos. Quinze anos é muito tempo, em uma cidade que ganhou mais de doze mil habitantes no período e que abriga mais de 15 mil estudantes de outras cidades. Em quinze anos aumentou-se a frota de automóveis em mais de 4.000 unidades, as motocicletas chegaram ainda em maior número. Houve um acelerado processo de verticalização em vários bairros. O meio ambiente foi fortemente impactado com construções irregulares em áreas de proteção permanente e em áreas rurais. A fiscalização foi altamente incompetente.

De volta ao assunto da participação popular na revisão do Plano Diretor de Viçosa, pode-se afirmar que houve  obstáculos para sua efetividade, quanto à divulgação inicial, das datas e locais das reuniões públicas. Embora o calendário tenha sido publicado em jornal de ampla circulação, houve problemas na divulgação de centenas de cartazes com o calendário das reuniões, pois eles foram afixados após a realização de várias reuniões. Faltou divulgá-lo oficialmente a algumas autoridades.  Por outro lado, houve a criação de um grupo no Facebook - “Revisão do Plano Diretor de Viçosa” - e a grande contribuição dos radialistas como o Paulinho Brasília, a Soninha e o Valentim na divulgação dos convites às reuniões.  Foram gravadas chamadas e um programa “Sala Especial” (que vai ao ar dia 02/04) na TV. As formas mais efetivas foram a divulgação em motos de som e a distribuição de convites, por parte das diretoras das escolas, entregues aos alunos para mostrarem aos pais.

As reuniões tiveram frequência variada. Para que haja participação, exige-se primeiro que a informação chegue ao cidadão. A informação deve sensibilizar e ser suficiente para incentivar que o cidadão vá a uma reunião, mas o cidadão também deve ter uma consciência de seu papel e dos problemas que afetam sua vida, seu bairro, sua cidade. Há grandes contrastes no interesse dos cidadãos. Alguns grupos simplesmente não se manifestaram. Embora tenham sido convidados, com apenas uma exceção, nenhum arquiteto, engenheiro civil, construtor, agente imobiliário participou da reunião temática sobre o uso do solo, habitação social, mobilidade e patrimônio histórico. Na reunião dos bairros populares Romão dos Reis e Rua Nova e 5 condomínios, com três exceções, os moradores dos condomínios preferiram permanecer em suas confortáveis residências, embora os cartazes ainda permaneceram em cada uma das portarias algum tempo depois da reunião. Uma pergunta, por que, com meia dúzia de exceções, os professores universitários foram ausentes, como se morassem em outro lugar?

A maior participação ocorreu nos bairros mais carentes e trouxe à tona a presença de pessoas que, embora humildes, mostraram uma consciência rara de cidadania e de alteridade. Dos muitos presentes afloraram, dentre outros, problemas crônicos como o imenso déficit em infraestrutura e saneamento básico; a péssima qualidade da prestação de serviços de transporte público e de saúde; a carência de creches; as absurdamente péssimas condições das calçadas e a inexistência de espaços de lazer e de recreação. Destaca-se a total inexistência de demanda para o acesso à cultura, componente da qual todos estão alijados. Viçosa é uma cidade extremamente injusta, desigual, carente, com uma divida social de décadas. Mesmo o melhor dos planos diretores do mundo pode ser insuficiente. Será preciso somar ao futuro plano extrema competência técnica na elaboração de projetos; uma política sem os vícios que a deturpa; uma efetiva participação da população na cobrança pelos seus direitos, além de uma soma muito grande de recursos e de muitos anos de árduo trabalho.

Ocupações irregulares em Viçosa

Canelas, Viçosa-MG - área rural loteada em maio de 2014. Lotes com 3.000 metros quadrados.

Canelas, Viçosa-MG - área rural loteada em março de 2015. Casas de alto padrão começam a surgir.

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Capelinha abandonada

 Em meio à construção de condomínios nos Cristais-Viçosa, MG, há uma linda capelinha abandonada.

Dominada pelo mato, galhos, folhas e lama, ela está ameaçada.

No interior ainda há um pequeno altar e um forro de madeira apodrecida.

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Reuniões de 30 e 31/03/2015

Consulta pública no Laranjal. em 30/03/2015. Boa frequencia, muitas demandas por necessidades básicas. Foto Ítalo Stephan

Reunião temática Segurança. Poucas pessoas, mas com propostas muito importantes como:
1.  a criação de um Comitê Estratégico formado pelo prefeito, reitor, diretores de faculdades, juízes, delegados, comandantes de polícia, promotores, donos de cartórios etc. para discutir periodicamente temas de importância estratégica para o município.
2. Desenvolver programas de inclusão social envolvendo cultura, esporte, lazer em bairros

Consulta pública no Silvestre. em 30/03/2015.Presença razoável. Muitas demandas básicas e muita preocupação com o meio ambiente. Foto Ítalo Stephan

Conselho Universitário vota contra passagem do mineroduto da Ferrous


 

 A UFV assumiu uma posição contrária à passagem do mineroduto da Ferrous tanto na estação experimental de Coimbra (MG) quanto na bacia do Ribeirão São Bartolomeu. A decisão foi tomada, por unanimidade, na última reunião do Conselho Universitário (Consu), realizada na sexta-feira (27). A reitora Nilda de Fátima Ferreira Soares, que presidiu a reunião, declarou que a posição da Universidade foi embasada no parecer da Comissão Técnica responsável por discutir a instalação do mineroduto.
Dentre as ações da comissão, presidida pelo professor do Departamento de Educação Felipe Nogueira Bello Simas, foi realizado um seminário, no dia 18 de novembro de 2014, sobre os impactos da instalação do mineroduto da empresa Ferrous em Viçosa. O evento contou com palestras, seguidas de espaços para debates. Na ocasião, o professor Felipe Simas apresentou um histórico do processo do empreendimento – que acontece desde 2009 – e explicou como um sistema de tubulações é instalado para transportar minérios a longas distâncias, além dos impactos que ele traz para o ambiente. De acordo com ele, em Viçosa, o mineroduto da Ferrous ocuparia um trajeto de 13,3 quilômetros, divididos em 91 propriedades rurais e interferiria em nascentes dos rios Turvo Limpo e Turvo Sujo e do ribeirão São Bartolomeu. No campus Viçosa, o empreendimento poderia prejudicar o abastecimento de água e as atividades de uma área experimental do Departamento de Fitotecnia em Coimbra (MG) e interromperia pesquisas que estão em andamento na área experimental desde a década de 1980.
Órgãos como a prefeitura, a Câmara Municipal e o Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Viçosa (Saae) já haviam avaliado o projeto do mineroduto e indicaram que os estudos de impacto ambiental apresentados pela Ferrous são insuficientes e possuem erros.