terça-feira, 23 de agosto de 2016

JUIZ DE FORA E SUAS GALERIAS






Antigas, novas, largas, estreitas, movimentadas ou não,mais ou menos consevadas, as galerias entre as ruas são uma marca registrada de Juiz de Fora.  Formam um rico centro comercial, um rico patrimônio cultural da cidade.

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

ASFALTO ELEITOREIRO



Asfalto na “Rua” Marly Azevedo em Viçosa-MG

Obra de asfaltamento mal feita. Apenas uma camada de asfalto sobre as pedras soltas, sem as obras de drenagem. Vai aumentar significativamente a velocidade de escoamento da água na rua, expondo a risco as casas que se encontram na curva, logo abaixo.
Quem fiscaliza?!

Colaboração de Jauvânio Jacurino

domingo, 21 de agosto de 2016

EXCLUÍDOS

Texto Publicado no jornal Nova Tribuna, nº 2, Viçosa, MG em  17/08/2016.
 
Segundo a Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, acessibilidade é um atributo essencial do ambiente que garante a melhoria da qualidade de vida das pessoas. A acessibilidade deve estar presente no meio físico, nos meios de transporte, assim como em instalações de uso público (escolas, postos de saúde, agências bancárias, supermercados etc.) e nos sistemas e tecnologias da informação e comunicação.

Caminhar numa cidade é, basicamente, fazer um percurso por calçadas, travessias de vias para ir de um ponto ao outro. Parece simples. Pode ser simples, muito fácil para uma pessoa adulta, saudável, com o domínio razoável de seus movimentos. Ser uma pessoa saudável é apenas fazer parte de um grupo dentro de uma gama enorme de condições completamente diferentes. Uma pessoa saudável consegue caminhar longos trechos planos ou inclinados, ver e passar por degraus, buracos, rampas, escadarias, cancelas, contornar postes; consegue subir e descer de um ônibus ou andar de bicicleta, sem maiores dificuldades. Mas e quando as condições são outras? Experimente andar na rua de muletas com uma perna engessada, ou empurrando um carrinho de bebê ou um carrinho de feira. As dificuldades são grandes para uma criança, uma pessoa de baixa estatura ou uma idosa; agravam-se mais ainda ou se tornam intransponíveis quando uma pessoa é cadeirante ou deficiente de visão.

Se quisermos complicar ainda mais, consideremos a situação quando é necessário usar um transporte coletivo, desde sair de casa, deslocar-se até um ponto de ônibus, subir no ônibus, estar seguro dentro do ônibus, descer em um ponto e se deslocar até o local desejado. Isso já é complicado quando na cidade há transporte coletivo, imagine nas milhares de cidades que não o possuem. Muitas pessoas acabam por estar compulsoriamente aprisionadas dentro de suas casas. Só saem quando estritamente necessário: ir à escola, a uma consulta médica, fazer um exame clínico, ir a uma agência bancária. Em Viçosa, ir à agência do INSS ou à delegacia para tirar documentos são exemplos dessa dificuldade. Exige-se uma logística complicada, cara e que depende de outras pessoas. São raros os prédios públicos acessíveis, não há sinalização podotátil, as entradas e as escadas não atendem às normas, os balcões não são adequados, os banheiros são inacessíveis, as rampas adequadas são raras, os elevadores ou as plataformas elevatórias só agora começam a ser instalados.

As nossas cidades são excludentes para pessoas com deficiência. Na maioria, as condições de acessibilidade são péssimas. Numa rua qualquer, o simples ato de percorrê-la pode ser impossível. Começa-se pelas dimensões exíguas das calçadas e pelo uso de materiais inadequados, como pisos escorregadios, irregulares, desnivelados e inclinados. Nas travessias, as rampas são tão malfeitas que seria melhor que não existissem. Muitos moradores resolvem seus acessos às garagens particulares com rampas tomando as calçadas e até mesmo parte das ruas.

É fundamental começar a corrigir as condições das calçadas, travessias, pontos de ônibus e acessos aos prédios de uso público. Isso pode levar tempo, mas é preciso primeiramente planejar e depois executar. As cidades desenvolvidas do mundo resolveram essa questão. As nossas precisam começar a caminhar na direção da inclusão.

sábado, 20 de agosto de 2016

Selo de Sustentabilidade


Estação de Tratamento de Esgotos

A UFLA é Azul: 2ª universidade do mundo com o certificado Blue University em reconhecimento pela gestão das águas. O certificado atesta que a Universidade é uma instituição que pratica e defende os recursos hídricos compartilhados. Um reconhecimento de que a Universidade prima pela produção, tratamento, uso e reaproveitamento da água.
Parabéns para a Universidade de Lavras!
Belo exemplo a ser seguido!

http://www.ufla.br/ascom/2016/05/16/ufla-e-azul-2a-universidade-do-mundo-com-o-certificado-blue-university-em-reconhecimento-pela-gestao-das-aguas/

terça-feira, 16 de agosto de 2016

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE PROJETO DA PRAÇA



Será realizada uma audiência pública na Câmara Municipal de Viçosa, dia 18/08, quinta-feira às 18:00, para apresentar e discutir o projeto de reforma da Praça Silviano Brandão. Não deixem de contribuir! Compareçam!

sábado, 13 de agosto de 2016

Nova Mestra do PPGAU / DAU /UFV

Mais um belo trabalho do nosso programa de Mestrado, a dissertação de Ana Cristina de Souza Maria, intitulada  "A produção do espaço urbano na Zona Sul de Viçosa-MG: Empreendimentos horizontais na bacia do Ribeirão São Bartolomeu". Os participantes da defesa, além de mim como orientador, foram os professores Wagner Batella, do nosso programa, e o ilustre Professor James Griffith. Uma importante contribuição para entender como vem ocorrendo o processo de ocupação do nosso principal manancial.

História e Patrimônio do Campus da UFV

 
Casa originalmente construída para abrigar professores, a atual Pinacoteca é um belo exemplo muito bem conservado do patrimônio arquitetônico do Campus da Universidade Federal de Viçosa. Fotos Ítalo Stephan, 2016.

História e Patrimônio de Viçosa


Ao lado do pequeno bairro de Viçosa, conhecido como Rua Nova, uma comunidade quilombola, está o Sítio de Joaquim Cardoso, que fazia parte da Fazenda Deserto, do final do século XIX. Antes pertenceu a uma  fazendeira conhecida como Nhanhá do Paraíso.  Foto de Nilo Stephan, 2016.
Informações de Marinês Eiterer, que está desenvolvendo uma ampla pesquisa sobre as fazendas do vale do ribeirão São Bartolomeu.

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Decoração

Todos os fins de semanas, as pequenas rotatórias de árias ruas de Juiz de Fora são "decoradas" com lixo. Parabéns aos artistas, verdadeiros cidadãos criativos contribuindo para o bem-estar da população.

domingo, 7 de agosto de 2016

NOVE MESES DO DESASTRE DA SAMARCO


NÃO ESQUEÇAMOS!

NOVE MESES DO DESASTRE DA SAMARCO,

POUCAS NOTÍCIAS NA WWW:

DESASTRE EM MARIANA COMPLETA 9 MESES SEM SAMARCO PAGAR MULTAS

TRAGÉDIA RIO DOCE FAZ 9 MESES E POPULAÇÃO NÃO CONFIA NA ÁGUA

http://www.agrosoft.org.br/br/desastre-em-mariana-completa-9-meses-sem-samarco-pagar-multas/meio-ambiente

http://noticias.ambientebrasil.com.br/clipping/2016/08/06/132896-tragedia-rio-doce-faz-9-meses-e-populacao-nao-confia-na-agua.html



sexta-feira, 5 de agosto de 2016

PORTO ALEGRE E AS BICICLETAS




O Plano Diretor Cicloviário, de 2009, prevê 495 km de  ciclovias ou ciclofaixas.
Atualmente são 29,5 km. É um começo.

Conheça o Plano em:
http://lproweb.procempa.com.br/pmpa/prefpoa/eptc/usu_doc/pdci_relatorio_final.pdf

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

CAMELÓDROMO DE PORTO ALEGRE



POP Center em Porto Alegre. Terminal de ônibus no pavimento térreo, camelódromo em um segundo piso. Foto Ítalo Stephan, 2016.

Recuperadores de nascentes em Viçosa-MG



Parabéns a Associação de Moradores do Paraíso!
Pela realização junto com o SENAR do Curso de Recuperação de Nascentes.


A primeira nascente recuperada, a Nhanhá do Paraíso, vazão inicial zero, no final da recuperação 6.720 litros/dia.



Fotos Marines Eiterer.

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

PRÊMIO ANPARQ 2016



PRÊMIO ANPARQ 2016

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ)

DISSERTAÇÃO

Vencedor:
“PATRIMÔNIO CULTURAL E AS PRÁTICAS DE DELIMITAÇÃO DE SÍTIOS TOMBADOS: UM ESTUDO PARA O CONJUNTO ARQUITETÔNICO E URBANÍSTICO DO SERRO, MG."

Kelly Diniz de Souza
Orientador: prof. Ítalo Stephan
Co-orientador: prof. Luiz Fernando Reis
Programa de Pós Graduação em Arquitetura e Urbanismo /UFV

quarta-feira, 27 de julho de 2016

PORTO ALEGRE CULTURAL

Centro de Porto Alegre - Prefeitura e Mercado Municipal ao lado. Foto Ítalo Stephan, 2016

Museu de Arte do Rio Grande do Sul.  Foto Ítalo Stephan, 2016

Centro Cultural Iberê Camargo. Foto Ítalo Stephan, 2016

Casa de Cultura Mário Quintana. Foto Ítalo Stephan, 2016

Memorial Érico Veríssimo. Foto Ítalo Stephan, 2016

Porto Alegre: 1.476.000 (IBGE 2015), IDH 0,805 (muito alto)
Região Metropolitana de Porto Alegre: 34 municípios - 4.258.000 (IBGE 2010), IDH 0,762