sábado, 28 de fevereiro de 2015

Destruição do patrimônio cultural

A civilização ficando estupidamente mais pobre!

Guerrilheiros jihadistas destroem patrimônio de  3.000 anos em Mossul. Barbárie!

https://www.facebook.com/AFPfra/photos/pb.114100038626559.-2207520000.1425127066./801615206541702/?type=1&theater

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/02/unesco-pede-reuniao-do-conselho-de-seguranca-apos-destruicao-em-museu.html

http://english.ankawa.com/?p=14025

Muito a fazer!

Bairro Estrelas, Viçosa, MG. Ruas estreitas, péssimo calçamento, pouca iluminação, calçadas intransitáveis.

Lixo na rua, lotes sem fechamento, cheios de mato; ruas inseguras e falta drenagem.
Prefeito, preste atenção nos bairros periféricos da cidade!

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Angkor Wat


Uma cidade medieval onde fica o Camboja. A maior cidade do mundo, mil anos atrás. A capital do Império Khmer.

Mil km quadrados, 250 mil habitantes no auge, baixíssima densidade. Um enorme complexo de canais, um  sistema de engenharia de represas construídas sobre o solo e não cavadas, elevando o lençol freático em muitos metros.

O maior templo religioso do mundo, que já teve torres revestidas com ouro.

Um império de cinco séculos. Sucumbiu ao desmatamento, mudanças climáticas, vizinhos hostis, dificuldades crescentes de manutenção e ampliação do complexo.
Alguma semelhança com o mundo contemporâneo?

Fontes:
DIAMOND, Jared. Colapso. Como as sociedades escolhem entre o fracasso ou o sucesso. 9a ed., São Paulo: Record,  2009.
http://www.newscientist.com/article/dn12474-vast-ancient-settlement-found-at-angkor-wat.html#.VO2vlVHfuWY

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Revisão do Plano Diretor de Viçosa

Brevemente  será divulgado o calendário das reuniões públicas da revisão participativa do Plano Diretor de Viçosa. Ele será distribuido nos pontos comerciais, nas repartições públicas. Teremos, a partir de meados de março, várias reuniões em diversos bairros e nos distritos.
Em breve você poderá também se manifestar em um grupo de discussão no facebook. 
Você, munícipe, você cidadão, nativo, que elegeu Viçosa para viver,  você morador temporário, terá oportunidade de fazer sua crítica e sugerir as mudanças necessárias!
Participe!

Rede Minha Ouro Preto

Conheça! Participe!

Faça a Rede Minha Ouro Preto acontecer!

Um projeto de Comunidade por Adelaide Dias

http://www.catarse.me/pt/minhaouropreto 

Rede Minha Ouro Preto
https://www.youtube.com/watch?v=7E1x9seO788&feature=youtu.be

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Burocracia

Fonte:
EcoDesenvolvimento.org
https://www.facebook.com/ecodesenvolvimento.org?fref=photo

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Mineração venenosa

IMPACTOS NO MUNDO INTEIRO 

Golden Sunlight - Montana, EUA Custos gigantescos de limpeza.

Pico do Itabirito, MG o que resta de um pico tombado como patrimônio. Milhões de metros cúbicos de rejeitos ameaçam os lençóis freáticos e com desastres ambientais.

Chuquicamata, Chile - a maior mina de cobre a céu aberto do mundo. Contaminação com arsênio.

Paracatu, MG - arsênio disperso na atmosfera, contaminação do lençol freático.

Kipushi, República Centro Africana - mineração de cobre. Uma  área de dejetos de 2,6 km de extensão. Água e ar contaminados.

Mineração de urânio na Austrália. Para onde vão os rejeitos ácidos e radioativos?

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

PARTICIPEM!


Artigo publicado no jornal Tribuna Livre, Viçosa-MG, de 11/02/2015.

O Plano Diretor de Viçosa vigente ainda é o de 2000. A partir dele Viçosa ganhou as importantíssimas leis de parcelamento do solo, do zoneamento e do uso e ocupação do solo. Foram criados o Instituto de Planejamento Municipal – o IPLAM, e o Conselho de Municipal de Planejamento – Complan, que tiveram muitas dificuldades para funcionar.

A legislação vigente tem sido importante para a cidade, mas é constantemente alterada pontualmente por interesses políticos e por pressão do setor imobiliário.  Com isso várias aberrações foram permitidas: construção em margens de rios (como ao longo da avenida P. H. Rolfs), em área de proteção dos mananciais (na Rua Nova); construções de vias mais extensas que o permitido (como as que saem da avenida do Partenon/Coeducar).  Em vários casos permitiu-se a construção de grandes prédios em locais inadequados (Rua dos Estudantes). Há uma proliferação de loteamentos na área rural, construídos sem licenças ambientais e técnicas e sem fiscalização. Além dos graves danos ambientais isso acarretará custos enormes às futuras gestões. Ao mesmo tempo, o Ministério Público tem agido para coibir alguns excessos e há na cidade grupos de pessoas mais atentas ao que está acontecendo, como é o caso da AmeViçosa. Mas é preciso mais!

Houve em 2008 um anteprojeto de lei de revisão, no entanto não foi discutido e votado. A proposta de revisão foi elaborada com quatro etapas de participação popular: consultas públicas em todas as regiões do município, debates públicos, audiência pública e Conferência da Cidade. Era uma proposta ambiciosa: eliminava uma quantidade enorme de leis obsoletas ou contraditórias ao plano; incluía toda a parte revista do controle do uso e ocupação do solo; continha as obras e ações prioritárias de curto, médio e longo prazos, além de determinar o responsável pela sua concretização. O Plano teria uma característica incomum aos demais planos brasileiros: um alto grau de autoaplicabilidade, que eliminaria uma série de regulamentações posteriores, o que é sabido em dezenas de outros casos que isso quase nunca ocorre.  O Plano já estava todo adequado ao Estatuto da Cidade, com instrumentos legais importantes para a gestão do município. Mas ficou só no papel.

Como o Plano estava todo construído no período 2007-2008, sem a sua aprovação ele ficou defasado. Após sete anos, inicia-se a construção de uma nova e necessária versão. O próprio Estatuto da Cidade sofreu acréscimos que precisam estar presentes nesta nova versão. Há novas questões como a mobilidade e a acessibilidade em uma cidade que tem os maiores percentuais e de automóveis e motos por habitante da Zona da Mata. Há a questão vital que é a proteção do combalido e ameaçado meio ambiente das áreas rurais.

Portanto, a revisão do Plano Diretor é essencial para o futuro de Viçosa. A participação é essencial, não só na elaboração dessa versão, mas na cobrança da aplicação futura do plano. Volto a dizer que ter uma boa lei não significa sua aplicação. Serão precisos uma boa conscientização e uma forte vigilância por parte da população. Sem exageros, isso é uma questão de sobrevivência.

Serão realizados reuniões e debates públicos para que a participação popular tenha o amplo direito de manifestar sobre suas opiniões e prioridades. Haverá reuniões em diversos pontos da cidade. Fica aqui o convite para que todos se manifestem e acompanhem o processo. Haverá outras formas de participação, como a de um canal aberto via rede mundial de computadores, para que o cidadão possa participar mesmo que não esteja em Viçosa. Reforço o convite: Não fiquem em casa! Participem! Ousem contribuir para mudar os rumos, para melhor, de Viçosa!

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Nova regra determina indicação de responsabilidade técnica


Nova regra determina indicação de responsabilidade técnica

Resolução do CAU/BR dispõe sobre indicação de responsabilidade técnica de Arquitetura e Urbanismo em documentos, placas, peças publicitárias e outros elementos de comunicação.

Agora é regra: placas de obras, documentos oficiais e peças de divulgação de novos empreendimentos devem conter a indicação da responsabilidade técnica referente a projetos e demais serviços no âmbito da Arquitetura e do Urbanismo. A Resolução nº 75 do CAU/BR, publicada no Diário Oficial da União em 28/04/2014, determina em quais situações é obrigatória a divulgação do profissional ou empresa responsável por serviços técnicos referentes a uma obra ou lançamento imobiliário.
 A norma, válida para todo o Brasil tem o objetivo de garantir dois direitos: o da sociedade, de ser informada sobre a responsabilidade técnica daquela obra; e o direito dos arquitetos, de ter sua autoria reconhecida.
Trata-se de um instrumento para promover as boas práticas na Arquitetura e no Urbanismo.
 Segundo a Resolução nº 75, as informações que devem constar em documentos, placas,  peças publicitárias e outros elementos de comunicação são os seguintes:
I – Nome(s) do(s) responsável(is) técnico(s);
II – Título profissional e número(s) de registro no Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU);
III – Atividade(s) técnica(s) desenvolvida(s);
IV – Nas placas de obras devem constar também o endereço,  e-mail  ou  telefone  do(s)  arquiteto(s)  e  urbanista(s)  ou  da(s)  pessoa(s) jurídica(s) de Arquitetura e Urbanismo.
Veja a íntegra da resolução em:

http://www.caubr.gov.br/wp-content/uploads/2012/07/RES75-2.pdf

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Era uma vez uma cidade murada

Cidade murada de Kowloon era uma área densamente povoada, degradada e sem governo localizada em Kowloon, Hong Kong, China. Originalmente uma fortaleza militar chinesa, a cidade murada se tornou um enclave após os Novos Territórios terem sido arrendados para o Reino Unido em 1898. Sua população aumentou drasticamente após a ocupação de Hong Kong pelo Império do Japão durante a Segunda Guerra Mundial. Em 1987, a cidade murada tinha cerca de 33 mil residentes dentro de seu território de apenas 0,3 km².1 De 1950 até a década de 1970, foi controlada por tríades e tinha altos índices de prostituição, jogos de azar e uso de drogas.

Em janeiro de 1987, o governo de Hong Kong anunciou planos para demolir a cidade. Depois de um árduo processo de despejo, a demolição começou em março de 1993 e foi concluída em abril de 1994.

Hoje, o local abriga um parque e algumas ruínas históricas da cidade.

Fontes:
Wikipédia e http://videosdatia.blogspot.com.br/

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Shibam

Cidade de Shibam, Yemen, 7.000 habitantes. Foi declarada Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco em 1982. Shibam foi durante muito tempo a capital do Reino de Hadramaute. 

 

A maior parte das construções são torres e edifícios, feitos com tijolos de barro,  com 5 a 11 pavimentos,  datados do século XVI, criando uma muralha, que servia de proteção contra ataques de tribos nômades, como os beduínos. Essas construções elevadas deram a Shibam, a mais antiga cidade de arranha céus do mundo, o título de "Manhattan do deserto", o mais antigo exemplo de planejamento urbano baseado no princípio da construção vertical


Fontes:Aparecida Schettini Moraes,Wikipédia, Google Earth

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Cidade Subterranea

Derinkuyu (Turquia) é uma enorme e antiga cidade subterrânea que remonta ao Império Bizantino. Não se sabe quando a cidade foi construída – algumas fontes dizem que no 7º século aC - mas não teria atingido seu maior tamanho até o período entre 500-1000 dC, quando ela tinha cinco andares de profundidade, com espaço para 20 mil pessoas, além de pecuária, cozinhas, uma igreja, e uma instalação de vinificação. Os moradores cavaram túneis e salas sob suas casas, sob a areia vulcânica da região central turca da Capadócia. Uma civilização subterrânea inteira foi prosperando aqui durante a Idade Média.


Durante séculos, as pessoas fugiram para a área para encontrar um refúgio seguro contra os anti-cristãos, bandidos e, mais tarde, muçulmanos. Eventualmente, eixos longos foram escavados para conectar Derinkuyu com outras cidades subterrâneas na área. A cidade foi selada em algum momento após o século 10, e só foi reaberta ao público em 1969.
 
Colaboração Aparecida Schettini Moraes 
Fotos:
http://www.catalyzingchange.org/ancient-underground-city-of-derinkuyu-in-turkey/

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Dnar Rocha merece

Dnar Merece


A pequenina e doce cidade de Tabuleiro, MG é a terra natal do pintor Dnar Rocha. 
Ela deveria ter um centro cultural com o seu nome. Há muitas pessoas interessadas nisso.

Dnar Rocha nasceu em 21 de julho de 1932, na cidade de Tabuleiro, Minas Gerais. Em 1951, mudou-se com os pais e oito irmãos para Juiz de Fora. Trabalhou como comerciário, prático de farmácia, pintor de louça, barbeiro e contador. No início da década de 1950, passou a frequentar aulas de desenho na Sociedade de Belas Artes Antônio Parreiras.

Dedicado e talentoso, Dnar Rocha tornou-se um artista destacado, fazendo parte do grupo composto por Heitor de Alencar, Silvio Aragão, Nelson Bracher, Renato de Almeida, Décio Bracher, Renato Stehling, Mário Tasca, Américo Rodrigues, Carlos Bracher e Nívea Bracher, entre outros. Realizou sua primeira exposição em 1954, no Salão Oficial Municipal de Juiz de Fora, dando sequência a uma série de mostras coletivas e individuais em diversos estados.

Alguns de seus trabalhos estão no acervo de entidades estrangeiras, como a Embaixada do Brasil em Washington e a Galeria de Arte Visual, em Boston, nos Estados Unidos. Dnar faleceu em Juiz de Fora, em 24 de novembro de 2006, aos 74 anos.


Em Juiz de Fora, cidade por ele adotada,  há um centro cultural com seu nome, instalado na Estação Mariano Procópio. 


quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Colégio de Viçosa - chegou sua hora

Está em andamento o processo de requalificação do Colégio de Viçosa para sediar todas o gabinete, todas as secretarias e a Casa dos Conselhos.

É um prédio com um potencial magnífico de resolver de vez a melhora do funcionamento da prefeitura. Pode vir a ser um local mais bonito do que já é.

A situação hoje não é boa. Apesar da estrutura estra intacta, é uma obra muito grande.

O Colégio não pode ser apenas um punhado de salas subutilizadas e de cantos usados como depósitos de entulhos e móveis estragados.

O Colégio vai ser transformado e será um ótimo local de trabalho e de recepção dos munícipes. Serão retiradas todas as divisórias e paredes desnecessárias.
As secretarias e os gabinetes serão amplas salas, com um mínimo de divisórias de vidro. Os pátios serão transformados em ambientes de estar e de convívio. Todos os ambientes serão acessíveis.