terça-feira, 22 de abril de 2014

Petição de apoio à bicicletada

MANIFESTO DE APOIO AOS ESTUDANTES E AO DIRETOR DA AMEVIÇOSA

Assine, se concordar, com a petição
http://www.peticao24.com/apoioaobicicletada

PREFEITURA DE VIÇOSA PROCESSA QUEM LUTA POR MELHORIAS NA CIDADE

Amigos Viçosenses e demais,

Em agosto de 2013 aconteceu em Viçosa uma manifestação pela melhoria da mobilidade urbana - a BICICLETADA - reunindo estudantes e outros cidadãos viçosenses, que por um curto período de tempo circulam na região central da cidade de bicicleta ou a pé. O protesto tinha o intuito de mostrar a insatisfação dos moradores da cidade com o descaso da prefeitura em relação à meios coletivos e/ou alternativos de transporte, como a bicicleta e o ônibus.


No fim do percurso, na Avenida Castelo Branco, foi decidido que seria demarcada uma ciclofaixa, de caráter temporário, como forma de chamar a atenção das autoridades locais para a falta de infraestrutura adequada para este tipo de transporte, a bicicleta, tão importante em uma cidade como Viçosa. Em momento algum o grupo envolvido teve a intenção de fazer uma demarcação permanente, sendo assim usada tinta que duraria poucos dias no local. É importante frisar que a população que transitava pela via, fosse à pé, de bicicleta ou automóvel particular aplaudiu a iniciativa durante todo o ato.

Neste mês, dois estudantes e um membro da AMEVIÇOSA que apoiavam o movimento receberam notificação de que estavam sendo processados pela Prefeitura Municipal de Viçosa por ato de vandalismo. Julgamos esta medida como injusta e absurda.

Viçosa, uma cidade que tem sido alvo constante de críticas em relação ao seu planejamento, gestão e comprometimento com a população tomou a postura de punir cidadãos que davam um grito de insatisfação e que desejam somente que a cidade avance de forma justa e inteligente.
Ao atacar as pessoas que de fato lutam por uma cidade melhor, a administração pública segue na contramão desperdiçando tempo e recursos importantes que poderiam ser utilizados para tentar melhorar os incontáveis problemas da cidade.

Não aceitaremos esta atitude perseguidora e retrógrada da Prefeitura e contamos com o apoio de vocês em nossa causa.

Assinando esta petição, você estará apoiando pessoas sérias, que nos encargos de seus afazeres, conseguem tempo para ajudar a resolver os problemas de nossa cidade. Entendemos que a manifestação ocorrida é legítima e não gerou danos ao município. Pedimos portanto, em nome das pessoas que aqui assinam, que o processo seja retirado.

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Tiradentes, Minas Gerais

Cidade histórica bem conservada. 
Cidade turística muito frequentada, há forte impacto tanto na cidade histórica quanto na Serra de São José.
Cidade-cenário, cidade com problemas ambientais (voçorocas, esgotos não tratados)

Largo das Forras - paisagismo de Burle Marx

Praça das Mercês

Rua Direita

Rua Ministro Gabriel Passos

sábado, 19 de abril de 2014

Para refletir

Manual, que vem do país do automóvel, de como transformar espaços de carros para espaços para gente.
Quem se habilita?
City publishes how-to manual for downtown parklets

http://www.mlive.com/business/west-michigan/index.ssf/2014/04/city_publishes_how-to_manual_f.html

Contribuição de paulo Tadeu Leite Arantes

sexta-feira, 18 de abril de 2014

Montanha urbana no Japão

Montanha Urbana - Tóquio - Japão
Inspiração para o nosso mar de morros?
Uma montanha... Urbana
Não são apenas em projetos residências que o ecotelhado ganha espaço. A implantação do produto foi atribuída aos oito níveis de terraço jardim do shopping Namba, no Japão, sendo considerado uma verdadeira montanha urbana, uma vez que sua estrutura conta, inclusive, com cascatas, cachoeiras e jardins verticais.

Saiba mais: http://goo.gl/h9NFYP

terça-feira, 15 de abril de 2014

Ó Minas Gerais

Uma breve caracterização de Minas Gerais


Nem tudo são flores.
Minas Gerais possui uma área de 587.000 km2, um pouco menor que a Ucrânia - 604.000 km2, maior que a França – 549.000 km2 - e Espanha - 505.000 km2 (Fonte: Mercado Comum, jan./fev. 2014).
O estado é dividido em 853 municípios.  Sua população em 2011 era de 20,3 milhões de habitantes (um pouco menor que a Síria – 20,8 milhões – e maior que Angola – 19,6 – Chile – 17,3 - e Holanda – 16,7 milhões).  Ocupou a 23ª posição na taxa de crescimento anual (IBGE). Possui apenas um município com mais de 2.300.000 habitantes, três com população entre 500.000 e 600.000 habitantes (Contagem, Uberlândia e Juiz de Fora), 24 municípios com população entre 100.000 e 500.000 habitantes e 824 municípios com população inferior a 100.000 habitantes, o que representa 96.6% do número de municípios (Fontes: IBGE e Mercado Comum, jan./fev. 2014).
O estado é o 3º maior PIB do país, o que corresponde à  9,3% de participação do total (São Paulo é 32,6%). Minas Gerais possui  a menor renda per capita da região Sudeste.
A região Sul do estado é o 5º PIB per capita do estado de Minas, atrás do Triângulo, Central Alto Paranaíba e Noroeste; a Zona da Mata mineira é o 8º (R$10.116,38 , enquanto a do Triângulo é de R$22.271,70   e inferior à média do estado que é de R$14.328,00), só perde para as regiões Norte e Jequitinhonha/Mucuri (Fontes: IBGE/FJP e Mercado Comum, jan./fev. 2014).


Minas Gerais é o 12º lugar em taxa de analfabetismo no Brasil. Era apenas o 10º lugar no ranking de investimentos em infraestrutura (Anuário Exame 2013-2014) e 16º lugar na taxa de desigualdade de renda (Índice Gini).  Estava em 2012, em 9º lugar no ranking em IDHM no país.
Das oito melhores cidades no ranking em IDHM, a região Sul possui quatro (Itajubá- 4º, Lavras - 5º, Poços de Caldas – 6º e Varginha- 8º) e a Zona da Mata apenas Juiz de Fora - 7º (Fonte PNUD/IBGE/FJP).
O grau de urbanização do estado era de 84,4%%, a região Central apresentava a 1ª posição com uma taxa de 93,2%. O Sul de Minas estava em 5º lugar, com 80,60% e a Zona da Mata em 6º, com 79,8% (Fonte IBGE/FJP).

Fotos:
 http://www.trekearth.com/gallery/South_America/Brazil/Southeast/Minas_Gerais/Caete/photo911107.htm
http://www.panrotas.com.br/noticia-turismo/hotelaria/fazenda-do-seculo-18-vai-virar-hotel-em-minas-gerais_86442.html

domingo, 13 de abril de 2014

Projeto de lei da APA São Bartolomeu: prudência mineira


Chegou à Câmara Municipal de Viçosa um projeto de lei da Área de Proteção Ambiental do Ribeirão São Bartolomeu.
A princípio parece ser uma coisa boa, no entanto merece cuidados em sua análise. Será preciso esclarecer algumas coisas.
Não sabemos ainda  quem  a desenvolveu, quem a escreveu, qual metodologia usou.
Não houve audiências públicas na região envolvida.
Há uma delimitação do perímetro, no entanto ele deve ser checado com atenção.
Os argumentos usados em sua justificativa são pouco esclarecedores.
Enquanto isso uma equipe liderada pela UFV está desenvolvendo os trabalhos da APA e está prevista uma série de audiências para ouvir a população.
Caberá à Câmara Municipal de Viçosa tornar as coisas claras e garantir ampla discussão e sabemos que ela o fará com todos os cuidados.

sábado, 12 de abril de 2014

Território do Alto Suaçuí, MG

 Água Boa, MG.

Santa Maria do Suaçui, MG

Água Boa (15.000 habitantes), Frei Lagonegro (3.000 habitantes), José Raydan (4.300 habitantes), Santa Maria do Suaçui (14.400 habitantes), São José do Jacuri (6.500 habitantes), São Pedro do Suaçui (5.500 habitantes) e São Sebastião do Maranhão (10.600 habitantes).
Sete cidade que criaram o Território do Alto Suaçui.
Seus prefeitos, vice-prefeitos, secretários municipais, e vereadores querem mudanças. Querem ter acesso à melhor educação. Querem planos diretores. Pediram ajuda à UFV.

Reunião dos representantes do Território do Alto Suaçui,  no escritório da UFV em BH.

Sete municípios que não tem grande empresas atuando em seus limites.Não possuem nenhum político forte. Não possuem arquitetos e urbanistas que desenvolvam projetos, não possuem  técnicos para analisar projetos de construções, não possuem fiscais para controlar as construções. Não têm condições mínimas de implementar planos diretores, de mobilidade, de saneamento e de habitação.
São cidades pobres mas têm esperanças de reduzir seus problemas. Sozinhas não iriam a lugar nenhum. Com o Território as chances surgem. Mas é preciso que o estado de Minas Gerais e o Governo Federal as ajude.

Estudante deve votar aqui

Prezado Amante de Viçosa:

A AMEVIÇOSA está trabalhando no sentido de conseguir o funcionamento de um Cartório Eleitoral Itinerante que possa atender os estudantes de Viçosa, para fins de otimizar a transferência de títulos eleitorais dos milhares de jovens que se mudam para a nossa cidade com o objetivo de aqui estudar. Esses jovens passam boa parte de suas vidas vivendo os mesmos problemas que enfrentamos diuturnamente e seria muito importante para o município, e para eles próprios, a participação efetiva de cada um no exercício da cidadania. O Cartório Itinerante teria a missão de, anualmente, realizar a campanha de transferência de títulos junto a todas as nossas instituições de ensino, com o apoio da AMEVIÇOSA, da UFV e das demais instituições, além de visitar os bairros periféricos de Viçosa para o atendimento dos cidadãos mais carentes que não possuem título eleitoral ou votam em outras cidades.
A AMEVIÇOSA então solicitou, por ofício, a abertura desse Cartório Eleitoral mas, infelizmente, por motivos bastante compreensíveis, a Juíza Eleitoral na época, Dra. Giovana Travenzolli Abreu Lourenço , indeferiu o pedido, baseado nas justificativas da Chefia do Cartório, uma vez que hoje não há estrutura mínima para o atendimento normal e tempo hábil devido a proximidade das eleições.
Foi muito fácil constatar durante a nossa visita ao Fórum a dificuldade com que os servidores do Cartório Eleitoral estão trabalhando, uma vez que, mesmo com a construção do novo edifício do Judiciário, o Cartório Eleitoral não foi privilegiado com espaço suficiente para suas atividades e, além disso, notamos o reduzido número de funcionários para o atendimento ao público. Mesmo assim, a Juíza Eleitoral, Dra. Giovana, orientou a que fizéssemos novamente a solicitação após as eleições desse ano.
Tivemos, então, a liberdade de procurar a Magnífica Reitora da Universidade Federal de Viçosa, Professora Nilda Ferreira Soares, no dia 4 de abril, que, mais uma vez, nos atendeu com muita gentileza. Pedimos a ela o apoio ao CARTÓRIO ELEITORAL ITINERANTE, com a cessão de um espaço e pessoal técnico para a implantação do projeto após as eleições desse ano. Imediatamente, a Professora Nilda se dispôs a colaborar com a nossa causa, assumindo o compromisso de levar o nosso pedido até os setores da UFV que estão diretamente ligados a esse assunto. Não temos dúvida que, com a nossa solicitação e a ajuda da Magnífica Reitora, haverá a participação efetiva da Universidade Federal de Viçosa e das demais instituições nesse processo, principalmente dos alunos e professores dos cursos de Direito.
Cordialmente.


AMEVIÇOSA - ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E AMIGOS DE VIÇOSA
“Porque somos um grupo que se importa...”

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Retorno das transmissões pela TV das reuniões da Cãmara




Prezados Amantes de Viçosa:

É com muita alegria que comunicamos a todos a volta das transmissões pela TV Viçosa das reuniões da Câmara Municipal de Viçosa. Com o impasse nas negociações entre a FRATEVI e a Câmara Municipal, a AMEVIÇOSA decidiu procurar o Presidente da Câmara, o Vereador Luiz Eduardo Salgado, e a Magnífica Reitora da UFV, Professora Nilda Ferreira Soares, para reivindicar a volta das transmissões por se tratar de assunto de grande interesse público. Como de praxe, fomos prontamente recebidos pelo Presidente da Câmara, que nos repassou toda a documentação sobre a contratação desses serviços e, em seguida, fomos recebidos pela Magnífica Reitora que, sem nenhuma dificuldade, decidiu ajudar o nosso município, bancando boa parte dos custos de transmissão, o que não é barato. Para que tenham uma idéia do que isso significa, o custo de transmissão de uma hora de TV gira em torno de R$ 1.500,00, sendo que o município, por meio da Câmara Municipal de Viçosa, utiliza 25 horas/mês e absorve apenas R$ 12.000,00/mês desses custos. Portanto, a UFV vai bancar o restante das despesas com as transmissões.  A Magnífica Reitora nos disse que a Universidade Federal de Viçosa não poderia deixar de ajudar o nosso município nesse momento em que vive sérias dificuldades financeiras. Por isso, estamos muito satisfeitos.

Agradecemos aqui a forma gentil como fomos recebidos pelos nossos gestores públicos, que entenderam a necessidade de darmos continuidade ao projeto de fazer chegar até a população todas as informações e decisões produzidas naquela importante instituição legislativa. A Universidade Federal de Viçosa cumpre, mais uma vez, o seu papel de apoiar o desenvolvimento da nossa cidade.

Cordialmente

CICLOFAIXA IMPROVISADA GERA AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MATERIAIS





Em ação coordenada pelo grupo Bicicletada Viçosa, em agosto do ano passado um mutirão para criar uma ciclofaixa na Avenida Marechal Castello Branco, quando ciclistas (aproximadamente três dezenas de pessoas) pintaram 560 metros de ciclofaixa no asfalto usando uma tinta látex removível. O grupo usou, naquela ocasião, as redes sociais para denunciar o número reduzido de ciclofaixas e espaços adequados para o ciclismo em Viçosa. Tal ação ocorreu sem nenhum incidente, tendo sido acompanhada, de perto, pela própria Polícia Militar, e agora tornou-se alvo do Processo nº 0090127-88.2013, que tramita na 2ª Vara Cível da Comarca de Viçosa, uma Ação de Indenização por Danos Materiais, movida pela Prefeitura de Viçosa contra dois estudantes universitários (Humberto Oliveira Rezende Amorim e Cauan Bittencourt Lana), ambos ligados ao movimento da Bicicletada Viçosa, e o ativista social Jershon Ayres de Moraes, uma das lideranças da Associação dos Amigos e Moradores de Viçosa (Ameviçosa). Na ação, proposta pela Procuradoria Geral do Município ( quando seu titular ainda era o advogado Ricardo Moreira Carraro, que exonerou-se na semana passada), alega-se que os três processados "foram além, porque obstruíram e picharam" cerca de 500 metros da pista de rolagem para criar a ciclofaixa que, "além de ilegal e atentatória à segurança de veículos e pessoas, repercutiu em danos ao patrimônio público. Tal o estrépito, que obstaculizou o trânsito de veículos regulamentados para a via, confundiu por semanas os motoristas e ameaçou os ciclistas que ali trafegaram posteriormente - movidos por uma expectativa de proteção e de legalidade obviamente falseada. Após depredarem permanentemente o logradouro e a sinalização horizontal ali colocada, à custa do patrimônio público os réus anunciaram-se ao público com glórias de quem havia desafiado a legalidade, as autoridades públicas e as instituições constituídas. Ensejaram, inclusive, ameaças premeditadas à magnífica reitora da Universidade Federal de Viçosa acerca de um próximo ato nas dependências federais", acrescentando que "em êxtase, minutos após a empreitada ilícita, o primeiro réu (Jershon) ainda reportou aos demais para certificar que 'foi um grande prazer ter participado com vocês'... Então, porque o interesse público não se curva a investidas medievais deste jaez, é mister notar a flagrante responsabilidade civil dos réus pelo prejuízo que causaram; anotado, também, no Boletim de Ocorrência nº m6415- 2013-0006979, REDS 2013-017651718-001... Para além de afrontar os mais comezinhos princípios de urbanidade, legalidade e convívio social, a conduta liberada de depredar o bem público também encontra barreira específica... Porque o trabalho do servidor também custa dinheiro dos munícipes, é certo que o valor despendido também deverá ser recomposto pelos malfeitores; para tanto nos termos do Código do Processo Civil requer o arbitramento de valor conforme a experiência e eventuais diligências a cargo deste douto juízo... Note-se que na matéria jornalística que apesar de terem propalado o sumiço espontâneo das pichações, uma semana após a empreitada e quando ainda regozijavam-se do ilícito, lá estava intacto o seu produto. Outrossim, sobre os réus terem depredado as faixas de pedestres com palavrões ao representante máximo deste Município, as fotografias atualizadas de 20 de novembro de 2013 evidenciam o dano permanente e respaldam o pleito de condenação dos mesmos à sua integral reparação; cujos serviços, porque especializados, demandam a contratação de terceiros no importe de R$ 4.500,00." Na ação propõe-se condenação solidária dos réus no importe de R$ 4.875,00, "a título de ressarcimento pelo prejuízo causado em função de seus ilícitos" e "igualmente
porque persiste uma parcela de prejuízo passível de liquidação, ao final requer seja apurado o valor/hora de trabalho dos servidores municipais e que aos réus seja imposto o pagamento da quantia" e ainda que "sem prejuízo da reparação em epígrafe, nos termos do Código de Trânsito Brasileiro requer seja declarada a prática do ilícito, arbitrada multa no importe de 300 UFIR e expedida em desfavor dos réus a referida ordem de pagamento", conclui a petição da Procuradoria Geral do Município de Viçosa.

Está generalizado em Viçosa a tomada de iniciativa "criminosa" por cidadãos quaisquer, em defesa de seus interesses particulares ou daqueles que eles julgam ser públicos. Tudo consequência da omissão das autoridades

Nas fotos: Os Estudantes de Arquitetura, Humberto Oliveira Rezende Amorim e Cauan Bittencourt Lana, e o Diretor da AmeViçosa, Jershon Ayres de Moraes.

PELO DIREITO DE MANIFESTAÇÃO

 

Em Agosto de 2013 aconteceu em Viçosa uma manifestação pela melhoria da mobilidade urbana – a BICICLETADA – reunindo estudantes e outros cidadãos viçosenses, que por um curto período de tempo circularam na região central da cidade de bicicleta e a pé. O protesto tinha o intuito de mostrar a insatisfação dos moradores da cidade com o descaso da prefeitura em relação à meios coletivos e/ou alternativos de transporte, como a bicicleta e o ônibus.

No fim do percurso, na Avenida Castelo Branco, foi decidido que seria demarcada uma ciclofaixa, de caráter temporário, como forma de chamar a atenção das autoridades locais para a falta de infra estrutura adequada para este tipo de transporte, a bicicleta, tão importante em uma cidade como Viçosa. Em momento algum o grupo envolvido teve a intenção de fazer uma demarcação permanente, sendo assim usada tinta que duraria poucos dias no local. É importante frisar que a população que transitava pela via, fosse à pé, de bicicleta ou automóvel particular aplaudiu a iniciativa durante todo o ato.

Esta semana estudantes que apoiavam o movimento receberam notificação de que estavam sendo processados pela Prefeitura Municipal de Viçosa por ato de vandalismo. Julgamos esta medida como injusta e absurda.

Viçosa, uma cidade que tem sido alvo constante de críticas em relação ao seu planejamento, gestão e comprometimento com a população tomou a postura de punir cidadãos que davam um grito de insatisfação e que desejam somente que a cidade avance de forma justa e inteligente.

Ao atacar as pessoas que de fato lutam por uma cidade melhor, a administração pública segue na contramão desperdiçando tempo e recursos importantes que poderiam ser utilizados para tentar melhorar os incontáveis problemas da cidade.
Não aceitaremos esta atitude retrógrada da Prefeitura e contamos com o apoio de vocês, estudantes, em nossa causa.

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Água


Ótima invenção! Serve também para o nosso semi-árido. Quem sabe um dia até para outras regiões, pois obter água potável vai ficar difícil.
ciclovivo.com.br/noticia/italiano-constroi-sistema-que-transforma-vapor-em-agua-potavel-para-regioes-carentes

sábado, 5 de abril de 2014

Churrasco indigesto

Artigo publicado no jornal Tribuna Livre de 03 de abril de 2014.

Bruegel - Gula

Ao final do churrasco de formatura da UFV, na segunda  semana de março, havia um tapete de lixo no lindo Recanto das Cigarras.  Era um lixo composto por milhares de pratos, copos e garfos plásticos,  guardanapos  e espetos de bambu; uma boa parte com pedaços de carne. Nas mesas, nos bancos, nas bases das árvores, nas muretas sobravam pratos com restos de guarnições. Centenas de quilos de desperdício. Um quadro lamentável, em se tratando de um público com educação universitária. Um nojo, uma vergonha, algo abominável!
Ao final do churrasco de formatura, vários participantes desfilavam com as mãos cheias de espetos de churrasco crus, levados para casa para fazer mais festas patrocinadas pelos contribuintes pais de formandos. Junto com os espetos, iam fardos de cerveja que não era das mais baratas. O tempo bom, a sujeira e o barulho infernal, o churrasco pode ter sido um sucesso para muitos. Mas o que ficou de imundície e desperdício é sinal de que há algo de podre no reino de fantasia dos formandos, que parece sugerir que detalhes assim são descartáveis, frente às comemorações. Afinal nosso país é rico e desenvolvido, não é mesmo? Quais são os limites desses fartos festejos?


Entre o lixo, várias 'dolinhas' (preservativos), garrafas PET, embalagens e palitos de picolé, papel higiênico, tampinhas, anéis de cerveja, fichas (do churrasco dos formandos), papéis de bala, centenas de bitucas de cigarro... outros lixos variados: calotas de carro, latas de cerveja, copos de milk shake...

Sinto, infelizmente,  no ar,  algo de podre rondando uma estrutura de um grande negócio que é a organização das festividades de formatura. Tal estrutura movimenta centenas de milhares de reais e é feita por meio de licitações regadas a muitas regalias e vantagens para os organizadores e para as empresas que organizam o megaevento de uma formatura na UFV. Espero que não haja, por baixo do tapete da organização desses eventos um lixo muito maior  e mais fedorento que aquele que resta dos churrascos de formatura. O processo exclui a maior parte dos formandos, aos poucos os homenageados, e até mesmo os parentes que gostariam de dividir o momento tão importante. A UFV entra com uma maravilhosa estrutura física, mas fica em franca desvantagem, é usada para que alguns se deem bem. Isso acontece ano após ano.
Sou a favor de comemorar, e muito, a vitória cheia de dificuldades, a trajetória, a formação dos estudantes. Pode ter baile, churrasco, abraços, música, aula da saudade, fotos mil. Isso os alunos merecem, mas tudo tem limites e o que vem acontecendo já os ultrapassou de longe. As abastadas solenidades excluem a maioria das pessoas que deveriam estar juntas comemorando tão importante momento. Até quando nós vamos ficar fingindo que está tudo bem? Não, não está tudo bem! Eu não compartilho e não concordo com isso. Parece que falta ética na organização, ouço  histórias de  corrupção e obtenção de vantagens pessoais, algo que deveria ser fiscalizado e averiguado. Visível, escancarado mesmo é o desperdício, a falta de educação com a coisa pública, a falta de reconhecimento por parte de alguns estudantes. Não é isso que ensinamos aqui, mas parece que sim, ou é, no mínimo, uma lamentável omissão da Academia. Há muita coisa a ser mudada, há muito a ser discutido. O modelo baseado no esbanjamento, na esnobação, na exagerada valorização material se esgotou.

Segunda foto:
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1395431080737486&set=oa.641369372604732&type=1&theater

sexta-feira, 4 de abril de 2014

Carta de Freiburg


Um importante documento para as cidades. Vamos incluir as nossas?

http://www.academyofurbanism.org.uk/freiburg-charter/

quarta-feira, 2 de abril de 2014