domingo, 14 de setembro de 2014

Era uma vez uma vila

Vila Secundino, no Campus da UFV. Pela "Via da Medicina", onde  já se nota o descaso com a acesso à antiga vila, onde poucas famílias de servidores ainda moram.

De um lado da mal cuidada via ainda há casas, do outro persistem apenas duas e, das que foram destruídas, ficaram pilhas de escombros.

Abandono, destruição do patrimônio. A política da UFV parece não se importar com o destino da vila.

sábado, 13 de setembro de 2014

Viçosa, 1916

Viçosa, MG, há quase cem anos. Reconhecíveis:  Estação, casa da Dona Cora, a Câmara Municipal e o  "Alcântara". A primeira igreja e a praça com coreto. Ramos ainda era um pasto.

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Caminhada pelo Clima - em Viçosa

Um movimento no mundo todo
21 de setembro - 9:00

No domingo, 21 de setembro, dias antes de uma importante reunião sobre o clima na ONU, membros da Avaaz no mundo todo vão participar da Caminhada pelo Clima. Os líderes mundiais não acreditam que um número suficiente de nós se importa com as mudanças climáticas, e é por isso que não estão encarando o desafio de salvar nosso planeta. Mas em 21 de setembro, nós temos uma chance sem precedentes de provar que eles estão errados, com a maior mobilização para o clima da história.

Quatro Pilastras - Entrada da UFV 
http://www.avaaz.org/po/event/climate/Caminhada_pelo_Clima_13/

II SEPAAC na UFV

Convite a todos os interessados

Maiores informações no site
http://www.novoscursos.ufv.br/projetos2/ufv/sepaac/www/

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Debaixo do nosso nariz

Dona Gertrudes já foi a rua mais feia de Viçosa. Mas teve uma obra simples e importante que a mudou. As calçadas foram alargadas, foram feitas de uma só vez, de forma a que tivessem uma padronização e continuidade. A rua, já estreita ficou apenas com a caixa de rolamento e umas baias para carga e descarga,
Obra executada na gestão de Geraldo Reis (1993-1996).
Um exemplo, com algumas pequenas correções para melhorar a acessibilidade de Viçosa, a de Minas Gerais.

domingo, 7 de setembro de 2014

Expansão Urbana


Em implantação a expansão urbana de Rio Doce, MG, projetada pelo Departamento de  Arquitetura e Urbanismo da UFV, em 2011.
Respeito à topografia, com ruas acompanhando as curvas de nível.
Respeito ao meio ambiente com a proteção das áreas de preservação como as nascentes e topos de morro.
Política de mistura de classes sociais, com a construção de habitações sociais espalhadas em um loteamento em que serão construídas outras casas de pessoas de maior renda.
Política de mistura de usos,com o inicio iminente de algumas unidades industriais não incômodas.
Política de inclusão: a área é contígua à malha urbana, terá vias conectadas a ela.  A área terá uma creche em início de construção e está em frente ao clube esportivo municipal.
Ruas com 9 metros de largura, calçadas com blocos, com sarjeta, coleta de águas pluviais, calçadas contíguas, arborizadas com jaboticabeiras.

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Memória perdida em Viçosa, MG

Agosto 2014

Neste pequeno terreno no início da Av. Santa Rita tinha uma casa de arquitetura eclética, demolida à revelia do Conselho Municipal de Cultura e Patrimônio Cultural. Não tem mais a bonita casa, sobrou um terreno que é depósito de mesas e cadeiras e porta out door.

Setembro 2010

Por que demoliu? Resta apenas alguns resquícios da construção.

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Livro recomendado

Livro essencial para biólogos, ambientalistas, cientistas, urbanistas, ecologistas, cidadãos, terráqueos.


"Reconhecido internacionalmente como o papa da biodiversidade, Edward O. Wilson analisa os processos adaptativos responsáveis pela criação de novas espécies e descreve os cataclismos que interromperam a evolução e empobreceram a diversidade nos últimos seiscentos milhões de anos.

Os cinco primeiros desastres ecológicos (tais como meteoritos e mudanças climáticas) custaram à evolução entre dez e cem milhões de anos de reparação. O sexto grande espasmo de extinção na Terra, desta vez inteiramente causado pelo homem, pode não ter conserto."


http://www.companhiadasletras.com.br/detalhe.php?codigo=10469

terça-feira, 2 de setembro de 2014

É para levar a sério


A destruição do meio ambiente em Viçosa é muitíssimo preocupante. Não é brincadeira!  A situação é gravíssima.

A administração municipal não está dando a devida atenção à multiplicação de loteamentos irregulares em seu território. Além de não serem permitidos por Leis - a 6766/79, Código Florestal, Estatuto da Cidade, Lei Orgânica Municipal, Código ambiental e Plano Diretor - eles estão sendo feitos sem projetos e sem estudos de impacto ambiental.

A pungente matéria do Fantástico de 31/08 mostrou como o desmatamento da Amazônia está afetando o clima da região Sudeste, especialmente em Minas Gerais, chamada de Caixa d´água do Brasil.  Aqui, a bacia do Ribeirão São bartolomeu, a caixa d´água de Viçosa vai sofrer os efeitos da mudança nacional, acrescentando a isso a ocupação desastrada.

As obras estão destruindo nascentes, brejos e vegetação. Os movimentos de terra estão aterrando várzeas e assoreando os já minguados cursos de água.

Aja CODEMA! Aja DEMA! Aja IPLAM! Pois a destruição dessas áreas deixarão consequências graves ao meio ambiente e custos altíssimos para as futuras gestões.

Não transfiram a responsabilidade para a fiscalização estadual, pois esta atuação deve ser compartilhada e disso o CODEMA sabe, disso a administração tem a obrigação de saber.

Não ajam como se a área rural fosse terra de ninguém, pois é terra de Viçosa, dos viçosenses. Está sendo comprometido o abastecimento de água para desde já. Não deixem de atuar, como é obrigação de vocês. Não é brincadeira!  A situação é gravíssima!

sábado, 30 de agosto de 2014

A destruição dos nossos mananciais


A destruição dos nossos mananciais continua e a administração municipal vergonhosamente lava as mãos. Veja uma matéria muito importante:

http://g1.globo.com/mg/zona-da-mata/mgtv-1edicao/videos/t/edicoes/v/reservatorio-de-vicosa-tem-nivel-de-agua-reduzido-pela-metade/3595778/

Dia histórico

Assisti ao reprise da sessão da Câmara Municipal de Viçosa do dia 27 de agosto de 2014 e, com mais calma, observei alguns pontos.
Vi a lamentável postura do Xandinho, que:
- se eximiu da responsabilidade da decisão da comissão à qual pertencia;
- disse que o pedido não dava direito à defesa do prefeito (???);
- considerou a Assessoria Jurídica da Câmara incompetente;
- disse que escrevemos o pedido de forma errada, a ponto de ser classificado como inepto (o  pedido foi redigido com assessoria jurídica);
- ele sugeriu que refizéssemos o pedido. Será que ele sugeriu que reencaminhássemos o pedido?
Vi as patéticas e até inconvenientes intervenções do Geraldão ao longo de toda a sessão  e  sua menção da ligação  da situação atual com o empréstimo de 35 milhões negado há um ano e meio.
O presidente recusou o pedido citando como uns dos problemas do pedido a da ausência de cópias dos documentos dos signatários (foram 743!)e das cópias dos relatórios das CPIs.
Vi posturas covardes de alguns que foram membros das CPIs, quando tentaram mostrar que foram apenas votos vencidos e portanto, estariam se portanto apenas como coadjuvantes dos processos, além de terem posições contrárias.
Vi um emocionante discurso do Meio Kilo, os competentes discursos do Dr. Sérgio Norfino e do Professor Idelmino. Vi as caras de indignados do Professor Sávio e do Marcos Nunes.
Viçosa perdeu uma excelente oportunidade de ver a verdade, de dar o direito de defesa ao pobre prefeito.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Eu sou um otário

Há algumas semanas o Titã Tony Belloto publicou um excelente artigo no jornal, com o título “Procura-se um otário”, dizendo que há, no Brasil, malandros demais e otários de menos.  Ressaltou a valorização nacional do malandro, disse que nutrimos uma simpatia pela figura. Ele iniciou uma campanha cívica “procura-se um otário” pois só os otários poderão restituir nossa dignidade.

Estamos num país controlado pelos espertos malandros. Estamos rodeados pela corrupção, hipocrisia e dissimulação, que se  tornaram-se comuns demais. Para o colunista, “Policiais agem como bandidos, bandidos agem como bandidos, políticos agem como bandidos e cidadãos comuns também agem como bandidos”. Faz parte do cotidiano do brasileiro as malandragens tais como dar um jeitinho em tudo que for possível, arranjar um trocado para uma cervejinha para corromper; puxar para baixo valores de transações imobiliárias; usar caixa dois; avançar sinal; furar fila; jogar lixo na rua; xingar os motoristas; não desligar o celular em sala de aula; fazer fofoca e intriga; atravessar fora da faixa de pedestres; enganar no peso; usar material inferior na construção civil etc. Há também muito malandro que apenas fica calado, na sua, sem se meter  em encrenca, que é coisa de otário.

A malandragem e esperteza que muitos de nós prezamos produziram-nos um país desigual, muito atrasado, extremamente injusto e violento, com índices iguais ou maiores dos que os países com conflitos. Nosso país de malandros aparece em 7º lugar no PIB, mas em 54º lugar no PIB per capita. No Índice de desenvolvimento Humano – IDH, amargamos um 85º lugar. A malandragem crônica produz cidades injustas, inseguras, intransitáveis. Temos 13 milhões de analfabetos. Temos, em média, a cada ano, 56 mil mortos pela violência, número maior que todos os conflitos mundiais juntos. Nossa frota de veículos gira em torno de 64 milhões, ou seja, há mais rodas que habitantes.  A malandragem gera políticos malandros, corruptos e malandros corruptores. Burlar a lei é comum, e se preciso, muda-se malandramente a lei. É comum ter políticos respondendo a inúmeros processos por improbidade administrativa e indícios de corrupção, assim como é comum ter cidadãos processados por terem se manifestado contrário aos desmandos, aos indícios de irregularidades, à negligência de quem nos governa.  Dar-se bem com o governo é se aliar-se aos malandros; criticar o governo é para os otários.

Na última Copa do Mundo os “malandros” da Seleção Brasileira, impulsionados pelas pérolas da língua “vamo que vamo”, “é nóis”, “prá cima deles”, e embalado pelo hino à capela, culminou com uma humilhante goleada pelos “otários” alemães, que, além de um belo e eficiente futebol coletivo, também nos goleiam, na mesma proporção, nos indicadores econômicos e sociais e na qualidade das suas cidades.

Chega de malandragem! Chega de esperteza! Nosso país precisa de otários. Sejamos, pelo menos alguns de nós, otários! Mesmo que para ser otário temos de ter muita coragem para enfrentar os malandros espalhados por todos os lados, na nossa cidade, no nosso estado, no nosso País. ‘Seja otário, seja herói’ como disse Belloto. Eu tenho a honra de ser um e gostaria de estar acompanhado cada vez mais por mais otários. É deste lado que eu fico.

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Pedido negado

Depois de uma tensa sessão na noite de 26 de agosto de 2014, a Câmara Municipal de Viçosa rejeitou o pedido de abertura de cassação do prefeito. Seriam necessários dez votos, nove acenaram positivamente, cinco votaram contra e um se absteve. O pedido foi arquivado. Os manifestantes pró-prefeito saíram satisfeitos, comemorando, praguejando contra aqueles que, por direito e por dever se mostraram indignados com os inúmeros fatos e  buscaram o caminho correto.
Viçosa não terá a oportunidade de ver o prefeito se defender das acusações, continuará com o governo que tem. Continuará a sofrer com problemas de infraestrutura e com a expansão urbana descontrolada. Padecerá com a falta de projetos e com a falta de transparência.
Prevaleceu a força dos arranjos e interesses políticos.
Parabéns aos 743 signatários que tentaram a justiça, 743 corajosos cidadãos. Obrigado a todos que apoiaram o movimento.
Confira o voto do seu vereador:


A FAVOR DO PROCESSO DE CASSAÇÃO: Marcos Nunes, Sávio José, Idelmino, Edenilson, Geraldinho Violeira, Meio Kilo, Paulinho Brasília, Sérgio Norfino, Geraldão
CONTRA A ABERTURA DO PROCESSO DE CASSAÇÃO: Marilange, Helder Cheirinho, Cebolinha, João de Josino, Alexandre Valente "Xandinho"
ABSTENÇÃO: Lidson Lehner

Foto: Ecos da Periferia