sábado, 17 de fevereiro de 2018

BALNEÁRIO CAMBORIÚ


Balneário Camboriú- SC

A cidade é considerada muito bonita.
Uma praia encoberta pela sombra de prédios altíssimos a partir das quatorze horas é apenas um detalhe do que o mau planejamento é capaz.
A conhecida como "Dubai" brasileira traz apenas a altura exagerada dos prédios com 60, 70 80 pavimentos. A medida não veio acompanhada  de infraestrutura adequada - sistema viário, estacionamentos, coleta de lixo e de esgoto, abastecimento de água, drenagem.
A população fixa é estimada em 120 mil habitantes, no entanto, há dias no verão em que cerca de um milhão de pessoas estão nas praias.
Os blocos macicos das edificações criam microclimas e muito vento o nível do solo.
Os impactos ambientais são graves.  A cidade surgiu em função de uma beleza natural que se tornou toda artificial. mangues e canais foram ocupados pela ação humana. As águas do mar são poluídas.
Segundo os ambientalistas,  pela falta de insolação, a praia fica coberta de briozoários, pequenos “organismos marinhos que aparecem principalmente no verão e causam mau cheiro quando expostos ao sol”.
Quem manda na cidade é o poderoso setor imobiliário, que vende belas paisagens aos ricos compradores e distribui sombra para os banhistas.

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2015/12/1723364-predios-mais-altos-do-pais-cobrem-o-sol-em-balneario-camboriu-sc.shtml
http://www.vidadeturista.com/artigos/ferias-frustradas-em-balneario-camboriu-sc.html
https://marsemfim.com.br/balneario-camboriu-sc-uma-aberracao/
Foto:
https://aberturasimples.com.br/abrir-empresa-em-balneario-camboriu/

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Kuala Lumpur Declaration On Cities 2030



We, the participants of the Ninth session of the World Urban Forum — representing  national, subnational and local governments, parliamentarians, civil society, older persons, women, youth, children, persons with disabilities, grassroots groups, indigenous peoples and local communities, private sector, foundations and philanthropies, international and regional organizations, academia, professionals and other relevant stakeholders — gathered in Kuala Lumpur, Malaysia, to localize and scale up the implementation of the New Urban Agenda as an accelerator to achieve the Sustainable Development Goals.

Led by a strong spirit of collaboration, creativity and innovation, we share our aspirations for the future of Cities 2030 as the Cities for all where no-one and no place is left behind.

To this end, we call for the deployment of all efforts, means and resources available towards the operationalization of the concept of cities for all, ensuring that all inhabitants, of present and future generations, without discrimination of any kind, are able to inhabit and produce just, safe, healthy, accessible, affordable, resilient and sustainable cities and human settlements to foster prosperity and quality of life for all.

We believe that global, regional, national and local implementation frameworks of the New Urban Agenda being formulated since its adoption should be supported by key enablers capable of unlocking positive transformation, such as:
  • Strengthening the role of subnational and local governments, urban governance systems that ensure continuous dialogue among different levels of government and participation of all actors, and increasing multilevel and cross-sectoral coordination, transparency and accountability.
  • Encouraging sharing of creative solutions and innovative practices which enable a shift in mindset necessary to drive change.
  • Building inclusive partnerships and strengthening age and gender responsive environments to ensure meaningful participation and engagement at all levels.
  • Adopting integrated territorial development, including through appropriate urban planning and design instruments, to ensure sustainable management and use of natural resources and land, appropriate compactness and density, diversity of uses, and revitalization of cultural heritage.
  • Deploying monitoring and reporting mechanisms, including assessment of impacts, that encourage best practices for effective policy making.


We draw attention to the persistent challenges faced by our cities and human settlements, such as:
  • Limited opportunities and mechanisms for youth, women and grassroots organizations, as well as other civil society organizations, local, subnational and national governments, international and regional bodies to work together in planning, implementation and monitoring;
  • Inequitable access to the city, including to decent jobs, public space, affordable and adequate housing and security of land tenure, safe, efficient and accessible public transport and mobility systems, infrastructure and other basic services and goods that cities offer;
  • Insufficient protection from human rights violations, including forced evictions, and inadequate inclusion of people living in poverty, persons with disabilities and other disadvantaged groups in urban planning, design, and legislation processes;
  • Gender inequalities in urban economic and leaderships spheres.

We recognize that today we face emerging challenges that require urgent actions, including:
  • Recognizing that crises are increasingly urban, which calls for inclusive urbanization tools adapted to local contexts and to the nature of natural and human made disasters and conflicts, as well as to guide humanitarian assistance, fast track recovery, and contribute to building and sustaining peace.
  • Managing the complexities of increased migration into cities, at all levels, leveraging positive contributions of all and using more inclusive planning approaches that facilitate social cohesion and create economic opportunities;
  • Understanding the impact of new technologies and potential of open and accessible data, which require governance and design models that help to ensure no one is left behind;
  • Addressing growing social and cultural inequalities, lack of access to economic opportunities, that are increasingly manifested in cities.
  • Responding to environmental degradation and climate change concerns.
Actionable recommendations

We, the participants of the WUF9, leveraging the advantage of the Forum, which convenes thousands of decision makers, key actors, stakeholders and communities, generated a wealth of ideas.

We encourage the acceleration of the implementation of the New Urban Agenda through:

Frameworks
  1. Encourage the formulation of implementation frameworks for the New Urban Agenda at all levels, including monitoring mechanisms, providing a coordinated space for an effective contribution from all stakeholders, aligning to the efforts and actions of the 2030 Agenda and other international, regional, national, subnational and local development frameworks.
  1. Support the creation and consolidation of inclusive platforms and agendas for dialogue among all levels of government, decision makers and stakeholders such as regional, national and local Urban Forums and committees that can strengthen policy review and assessment of impacts. These can also foster exchange of experiences and cooperation, as well as scaling up voluntary commitments and actions from all partners.
  1. Further develop and advocate for integrated territorial development, which includes integration of sectoral policies, institutions and investment; integration among the different spheres of government; spatial integration across the urban-rural continuum; improved coordination across actors; and enhanced alignment of national, subnational and local policies with international agendas.
  1. Adapt innovative and robust mechanisms for the diversification and expansion of the means of implementation, to cater for complex and integrated approaches promoted by the New Urban Agenda. Technological innovations and improvements, research, capacity building, technical assistance and partnership development, among others, may require enhanced resourcing.
Governance and partnerships
  1. Adopt multiple collaborative governance mechanisms that actively engage national, subnational and local governments, all groups of society, including youth, women and grassroots organizations and particularly the excluded, vulnerable and disadvantaged groups. This work in solidarity is critical to promote more buy-in and co-responsibility in the activities towards sustainable urban development, and to ensure the sustainability of the results.
  1. Promote multi-stakeholder constituency-based coalitions to use the implementation of the New Urban Agenda to better prevent, prepare, and respond to urban crises.
Innovative solutions
  1. Foster a culture of creativity and innovation to be embedded in the way cities and human settlements operate.
  1. Develop monitoring and data collection mechanisms, including community generated data, to enhance availability of information and disaggregated and comparable data at city, functional urban areas and community levels. This would promote informed and evidence-based decision making and policy formulation, assessing progress and impact at all levels.
  1. Create an enabling environment and develop capacities for scaling up of good practices including municipal finance, sustainable private and public investments in urban development and job creation, and generating value while advancing the public good.
  1. Adopt accessibility and universal design as core principles into national, subnational and local action plans for implementing the New Urban Agenda through inclusive, accessible and participatory processes and consultations.

We, the participants of the Ninth Session of the World Urban Forum, recognize the value of the Forum convened by UN-Habitat as an inclusive platform to collect inputs from a broad range of stakeholders and to feed these into annual and quadrennial reporting on progress in the implementation of the New Urban Agenda.

We call to further develop the role of UN-Habitat as a focal point in the United Nations system to support all countries and mobilization of stakeholders in the implementation, follow up and review of the New Urban Agenda, including through scaled up normative support.

We thank the Government of Malaysia, the City of Kuala Lumpur, and UN-Habitat for organizing the Forum, and commit to provide continuous cooperation to the next hosts, the Government of the United Arab Emirates and the city of Abu Dhabi.
Kuala Lumpur, 13 February 2018

Image: WUF9

Source: WUF 9
This article is culled from daily press coverage from around the world. It is posted on the Urban Gateway by way of keeping all users informed about matters of interest. The opinion expressed in this article is that of the author and in no way reflects the opinion of UN-Habitat.

http://www.urbangateway.org/news/kuala-lumpur-declaration-cities-2030
 

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

PONTO PERIGOSO


Esse "ponto" de ônibus serve a muitos moradores do bairro Jóquei Clube, Zona Norte de Juiz de Fora. É muitíssimo perigoso, pois se encontra em uma avenida de grande fluxo, que liga toda a Zona Norte ao Centro.
Não tem travessia para pedestre, não tem proteção nenhuma contra o sol e os banhos de água das poças que se forma com a chuva. Não tem iluminação e a calçada é muito estreita.
Tem um muro quebrado que dá acesso à linha férrea, tornando um local muito perigoso.
Atenção autoridades: transformem esse ponto em algo adequado, sob o risco de continuar a oferecer alto risco de acidentes aos usuários.

Foto Ítalo Stephan, Fevereiro de 2018.

SEM SAL, SEM SOL



Os prédios mais altos do país tiram o sol da praia  Central em Balneário Camboriú (SC) - essa é uma notícia constante sobre a cidade.

A alta concentração de apartamentos, ou seja, a alta densidade permitida  ignora o planejamento urbano adequado.

A especulação ganha de goleada do bom senso. Um tiro no pé.

Faltam locais para estacionamento, o trânsito  está sempre congestionado, a coleta de lixo e o abastecimento de água são crônicos.

Fotos:
http://dimassantos.com.br/balneario-camboriu-sc-a-praia-dos-predios-mais-altos-do-brasil-ficou-sem-sol/
http://www.clickcamboriu.com.br/blogs/bc-acontece/2018/01/balneario-camboriu-no-fantastico-e-sombras-na-orla-182070.html


ÁRVORES ADEQUADAS


15 árvores adequadas para plantio em vias urbanas e dicas de como plantá-las corretamente
http://www.ecovidabomdespacho.com/2016/10/dicas-de-arvores-adequadas-para.html

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

QUAL É O LIMITE?


Igreja Luterana "preservada" em Balneário Camboriú (SC). Engolida por uma torre residencial.


http://www.jornalocaminho.com.br/noticia.php?edicaoId=133&cadernoId=7&noticiaId=6422

VAZIOS URBANOS



Vazios urbanos se encontram em toda a cidade. Não cumprem sua função social, são áreas de risco de doenças e proliferação de animais peçonhentos, são áreas mal conservadas. Os três exemplos têm fundos para os cursos d'água, ou seja, estão parcial ou totalmente em Áreas de Preservação Permanente, onde não pode haver construção.

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

ICOMOS-BRASIL

CHAMADA DE TRABALHOS ATÉ 05/03


Mais informações no site: www.icomoseventos.com

O Simpósio Científico 2018 do ICOMOS-BRASIL apresentará um panorama das discussões sobre o patrimônio em nosso país, a partir de conferências e mesas-redondas que trarão uma ideia do estado da arte do debate nacional.
O evento é aberto não só aos associados do ICOMOS, mas a todos os pesquisadores e interessados no patrimônio cultural, havendo a possibilidade de apresentação de trabalhos.


TEMÁRIO:


Tema Geral: O ESTADO DA ARTE DA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO NO BRASIL.


Tema específico: OS DESAFIOS DA PRESERVAÇÃO DO MODERNO.

domingo, 4 de fevereiro de 2018

QUEM PROJETA LOTEAMENTOS?


Artigo publicado no jornal Folha da Mata, Viçosa-MG,  em 01/02/2018.

As informações a seguir podem evitar problemas sérios para os proprietários que pretendem parcelar suas terras e não sabem a qual profissional recorrer. Palavra de quem é arquiteto e urbanista e Conselheiro Municipal do Meio Ambiente.

Toda vez que um proprietário de uma gleba de terra pretende construir um loteamento precisa procurar um arquiteto e urbanista. Este é o profissional que tem atribuição técnica para projetá-lo.  É competência exclusiva dele, de acordo com a lei federal nº 12.378/2010, a elaboração de Projeto urbanístico e de parcelamento do solo, mediante loteamento e de projeto de sistema viário urbano. É também de responsabilidade dele o conjunto complexo de decisões técnicas que trarão os menores impactos ao ambiente, definirão as formas de compensação e definirão o sucesso do empreendimento.

O arquiteto e urbanista, ao ser consultado sobre as intenções do futuro loteador buscará inicialmente as informações sobre o zoneamento urbano. Para ser loteado, o terreno deve estar dentro do perímetro urbano. Se estiver fora, ou seja, se estiver na área rural, a gleba não poderá ser parcelada em terrenos menores que um módulo rural, que na nossa região é de 3 hectares. Se estiver em perímetro urbano ou em área de expansão urbana e ainda tiver características rurais, precisa da alteração de uso do solo rural para fins urbanos, que depende de análise e aprovação do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

A seguir, antes de projetar o arquiteto e urbanista fará uma extensa busca na legislação federal, estadual e municipal: Plano diretor, lei do uso e ocupação do solo, leis de parcelamento e códigos ambientais. O profissional identificará, na legislação, como integrar o loteamento ao tecido urbano. O arquiteto e urbanista buscará as diretrizes e parâmetros definidos em lei para o parcelamento, como os percentuais mínimos a serem reservados como áreas verdes; áreas institucionais para a construção futura de equipamentos públicos; áreas mínimas dos lotes e das vias urbanas; comprimento máximo das quadras; afastamentos e áreas ambientais a serem respeitadas; largura mínimas de caixa de rua e passeios; declividade máxima das vias etc.

O arquiteto e urbanista projeta o parcelamento e se responsabiliza por isso. Sua atuação é fiscalizada pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo, de forma a garantir ao cliente a prestação adequada de seus serviços. Ele trabalhará com o engenheiro agrimensor, que tem a competência, estabelecida pela Resolução nº 218, do CREA, de 29 de junho de 1973, referente a realização de serviço técnico de levantamentos topográficos; a locação de loteamentos, de sistemas de saneamento, de irrigação e drenagem. Ou seja, cada profissional tem seu papel e assim deveria ser sempre. Um exemplo comparativo grosseiro, mas pertinente: para que ocorra qualquer cirurgia, são necessários um cirurgião (neste caso o arquiteto e urbanista) e um anestesista (o engenheiro agrimensor).

Um projeto correto, aprovado na prefeitura e com alvará evitará que os proprietários tenham fortes dores de cabeça e “de bolso”, fato que é corriqueiro e se transforma em longos processos, embargos, grandes prejuizos e altas multas, junto aos órgãos de planejamento urbano e de defesa do meio ambiente. Não façam projetos sem a competência profissional do arquiteto e urbanista.

FORMAS DA GANÂNCIA

Em Qualquerlândia, a qualidade arquitetônica passa longe quando o que interessa é construir o mais que puder, e se não puder, constrói a mais e depois regulariza ...


Fotos ítalo Stephan

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

BARRA LONGA - ACERVO ARQUITETÔNICO

Avenida Manoel Carneiro. Larga com calçamento de pedras conservado. Exemplar Art Deco que ganhou um telhado metálico.

Hotel Xavier,  parcialmente inundado pela lama da Samarco, em obras.

Casarão entre prédios mais novos,  atrás da igreja matriz.

Marcas de Barra Longa: sobrado eclético com tacaniça anã  (em rosa e creme) e sobrado especial com telhados geminados  (em branco e cinza), característica que influenciou a construção de outros.

Arquitetura variada, com bons e maus exemplos, onde dominam os telhados metálicos.

Fotos Ítalo Stephan, janeiro 2018

sábado, 27 de janeiro de 2018

COMO EXPANDEM AS PEQUENAS CIDADES

Embora os municípios percam população, as  áreas urbanas ganham e as rurais perdem moradores. A expansão é precária, sempre em direção à áreas inadequadas. 
Os exemplos abaixo estão na  Região central e  na Zona da Mata mineira, todas têm menos de 6.000 habitantes, com economia em base de agricultura de produtos como cana-de-açúcar,  milho, feijão e produção de leite, em pequena escala.  Os municípios têm como maior fonte o repasse do Estado. Estão perdendo habitantes pela diminuição da taxa de fecundidade e pela saída dos jovens que vão estudar ou buscar trabalho em cidades maiores.

Diogo de Vasconcelos - expansão morros acima, com deterioração do solo e infraestrutura precária.

Barra Longa - expansão morros acima, com deterioração do solo e infraestrutura precária.

Acaiaca - expansão às custas de grandes, perigosos e instáveis cortes nos morros.

Guaraciaba - expansão em áreas de grande declividade, gerando riscos constantes de tragédias.

Fotos Ítalo Stephan, 2017 e 2018.

sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

BARRA LONGA - PATRIMÔNIO RELIGIOSO

Capela N. S. do Rosário. Rampas construídas recentemente, importante medida, mas destoante. Já foi pintada de outras cores.

A imponente Igreja Matriz de São José.

Igreja Matriz de São José. Interior bem preservado.

Imagem secular de São José de Botas.

Pintura na Capela lateral.

Fotos Ítalo Stephan, janeiro 2018.

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

BARRA LONGA - 2 ANOS DEPOIS DO DESASTRE

Reconstrução física traz boa aparência, mas devemos estar atentos que apenas essa medida não reconstrói bens perdidos; não traz de volta a saúde dos moradores; não traz de volta a fauna e flora perdidas; não traz de volta a fertilidade do solo das margens; nem traz de volta quem partiu da cidade. 

Vista do deque da praça principal. Escoramento com pedras nas margens do rio.

Rua que margeia o rio com palmeiras. Nova pavimentação e novos passeios.

Praça reconstruída. Hotel, aos fundos aguardando recuperação.

Terreno da exposição que recebeu aterro com a lama. Em fase de construção de platôs.

Fotos Ítalo Stephan, janeiro de 2018